Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Adam Mattos
Sou advogado, aficcionado por leitura de todos os gêneros, e a minha grande paixão recém descoberta é a escrita.
Já publiquei em algumas antologias de terror e de temas variados, além de ter publicado também em antologias de poesias.
O maldito me fascina, tanto na leitura quanto na escrita, meu objetivo é causar calafrios em quem lê, e em mim mesmo que escrevo.
O feio, subversivo e errante é o mal aglutinador da espécie humana, que merece ser dominado pelo medo. Cuidado, aprecie minhas obras com a mente aberta e o estômago forte.







Amor Cruel

Oh, minha doce e singela amada
Por que faz isso comigo?
Eu sei que se sente desamparada
Mas não lhe trago nenhum perigo

Oh, minha triste e bela amada
Solta-me e eu te amarei aqui mesmo
Não se sinta culpada
Basta não me deixar aqui a esmo

Oh, minha querida cruel e obstinada
Já aceitei que não tenho escolha
Ficarei contigo nessa ilusão inflamada
Mas por piedade, ao menos recolha

Os dejetos fétidos que me cobrem
Não tentarei mais fugir
E também não deixarei que sobre
Vontade desse amor imergir.

Adam Mattos
Amor Cruel

Oh, minha doce e singela amada
Por que faz isso comigo?
Eu sei que se sente desamparada
Mas não lhe trago nenhum perigo

Oh, minha triste e bela amada
Solta-me e eu te amarei aqui mesmo
Não se sinta culpada
Basta não me deixar aqui a esmo

Oh, minha querida cruel e obstinada
Já aceitei que não tenho escolha
Ficarei contigo nessa ilusão inflamada
Mas por piedade, ao menos recolha

Os dejetos fétidos que me cobrem
Não tentarei mais fugir
E também não deixarei que sobre
Vontade desse amor imergir.