Apocalipse - Adam Mattos
Adam Mattos
Sou advogado, aficcionado por leitura de todos os gêneros, e a minha grande paixão recém descoberta é a escrita.
Já publiquei em algumas antologias de terror e de temas variados, além de ter publicado também em antologias de poesias.
O maldito me fascina, tanto na leitura quanto na escrita, meu objetivo é causar calafrios em quem lê, e em mim mesmo que escrevo.
O feio, subversivo e errante é o mal aglutinador da espécie humana, que merece ser dominado pelo medo. Cuidado, aprecie minhas obras com a mente aberta e o estômago forte.







Apocalipse

No dia seguinte sua missão era mais perigosa, ele iria até um rio que ficava a alguns quilômetros da casa em busca de água, como sabia ser o único rio em um longo perímetro, a chance de encontrar outras pessoas era sempre grande, por isso ele se armou com a recém adquirida arma com as cinco balas no tambor, o arco e flecha e o facão, mais um galão de cinco litros de água completamente vazio, e saiu em direção ao rio.

Quando estava mais ou menos na metade do caminho, ouviu novamente o barulho inconfundível da gangue muito perto de onde ele se encontrava, se escondeu atrás de um carro abandonado e ficou esperando, preparado para uma eventual luta. Quando a gangue estava perto o bastante, um dos membros o viu e gritou para todos os outros, não dava tempo de fugir, portanto ele se levantou e apontou a arma para eles, imediatamente ele viu 8 homens fortemente armados com suas armas todas apontadas para ele, o que parecia o líder falou:

– Abaixa essa arma, que você não tem o que fazer com ela.

– Sigam o seu caminho e me deixem em paz, se não eu atiro.

Disse Juca sem muita convicção, ele sabia que não tinha o que fazer, afinal poderia acertar um dos homens no máximo, e seria alvejado imediatamente por uma rajada de balas em seguida.

– Você é só um, meu chapa, não tem chance contra nós, é melhor abaixar essa arma que você ainda pode sair vivo dessa, a gente só quer o que tem na tua mochila.

– Eu não tenho nada na mochila, está vazia, eu estava indo até o rio buscar água.

E mostrou o galão de cinco litros vazio.

– Então façamos assim, você abaixa a arma, a entrega para nós, e a gente te deixa vivo, é o melhor que você pode fazer, sair dessa sem uma arma, mas com a sua vida, o que me diz?

Juca não tinha escolha, não dava para lutar contra oito homens muito mais armados do que ele, então ele fez a única coisa que poderia fazer, abaixou a arma, a colocou no chão e chutou em direção aos homens.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Adam Mattos
Apocalipse

No dia seguinte sua missão era mais perigosa, ele iria até um rio que ficava a alguns quilômetros da casa em busca de água, como sabia ser o único rio em um longo perímetro, a chance de encontrar outras pessoas era sempre grande, por isso ele se armou com a recém adquirida arma com as cinco balas no tambor, o arco e flecha e o facão, mais um galão de cinco litros de água completamente vazio, e saiu em direção ao rio.

Quando estava mais ou menos na metade do caminho, ouviu novamente o barulho inconfundível da gangue muito perto de onde ele se encontrava, se escondeu atrás de um carro abandonado e ficou esperando, preparado para uma eventual luta. Quando a gangue estava perto o bastante, um dos membros o viu e gritou para todos os outros, não dava tempo de fugir, portanto ele se levantou e apontou a arma para eles, imediatamente ele viu 8 homens fortemente armados com suas armas todas apontadas para ele, o que parecia o líder falou:

– Abaixa essa arma, que você não tem o que fazer com ela.

– Sigam o seu caminho e me deixem em paz, se não eu atiro.

Disse Juca sem muita convicção, ele sabia que não tinha o que fazer, afinal poderia acertar um dos homens no máximo, e seria alvejado imediatamente por uma rajada de balas em seguida.

– Você é só um, meu chapa, não tem chance contra nós, é melhor abaixar essa arma que você ainda pode sair vivo dessa, a gente só quer o que tem na tua mochila.

– Eu não tenho nada na mochila, está vazia, eu estava indo até o rio buscar água.

E mostrou o galão de cinco litros vazio.

– Então façamos assim, você abaixa a arma, a entrega para nós, e a gente te deixa vivo, é o melhor que você pode fazer, sair dessa sem uma arma, mas com a sua vida, o que me diz?

Juca não tinha escolha, não dava para lutar contra oito homens muito mais armados do que ele, então ele fez a única coisa que poderia fazer, abaixou a arma, a colocou no chão e chutou em direção aos homens.

Páginas: 1 2 3 4 5 6