Derrotado - Adam Mattos
Adam Mattos
Sou advogado, aficcionado por leitura de todos os gêneros, e a minha grande paixão recém descoberta é a escrita.
Já publiquei em algumas antologias de terror e de temas variados, além de ter publicado também em antologias de poesias.
O maldito me fascina, tanto na leitura quanto na escrita, meu objetivo é causar calafrios em quem lê, e em mim mesmo que escrevo.
O feio, subversivo e errante é o mal aglutinador da espécie humana, que merece ser dominado pelo medo. Cuidado, aprecie minhas obras com a mente aberta e o estômago forte.







Derrotado

Caminho pelo escuro da razão
Não sei onde isso me levará
Mas sinto cada vez mais próxima a escuridão
Pergunto-me o que ela me ceifará

Será que ainda serei o mesmo
Sem gatilhos de sentimento
Ou vagarei por aí a esmo
Dando voz ao meu tormento

Fecho os olhos sem entender
Quando abro não vejo nada
Tomando sempre cuidado para não acender
Aquela velha chama já apagada

A lua aparece e traz com ela o apogeu
Do sentimento absoluto de derrota
O mundo nunca me entendeu
Pensando bem, eu que sempre fui um idiota

Acho que o que me resta é aceitar
A morte que liberta a qualquer custo
Pois ela nunca irá me julgar
E me deixará ter o descanso justo

Adam Mattos
Derrotado

Caminho pelo escuro da razão
Não sei onde isso me levará
Mas sinto cada vez mais próxima a escuridão
Pergunto-me o que ela me ceifará

Será que ainda serei o mesmo
Sem gatilhos de sentimento
Ou vagarei por aí a esmo
Dando voz ao meu tormento

Fecho os olhos sem entender
Quando abro não vejo nada
Tomando sempre cuidado para não acender
Aquela velha chama já apagada

A lua aparece e traz com ela o apogeu
Do sentimento absoluto de derrota
O mundo nunca me entendeu
Pensando bem, eu que sempre fui um idiota

Acho que o que me resta é aceitar
A morte que liberta a qualquer custo
Pois ela nunca irá me julgar
E me deixará ter o descanso justo