Destino - Adam Mattos
Adam Mattos
Sou advogado, aficcionado por leitura de todos os gêneros, e a minha grande paixão recém descoberta é a escrita.
Já publiquei em algumas antologias de terror e de temas variados, além de ter publicado também em antologias de poesias.
O maldito me fascina, tanto na leitura quanto na escrita, meu objetivo é causar calafrios em quem lê, e em mim mesmo que escrevo.
O feio, subversivo e errante é o mal aglutinador da espécie humana, que merece ser dominado pelo medo. Cuidado, aprecie minhas obras com a mente aberta e o estômago forte.







Destino

Uma criança chora sozinha no berço
Uma gaivota mergulha atrás de comida
Um padre se apega forte ao seu terço
A fera uiva na floresta para ser temida

O peixe vira presa fácil no oceano
Um homem aponta sua arma na igreja
Ele sabe bem qual é o seu plano
Primeiro mata e depois esquarteja

A criança faminta agoniza sem resposta
Sua mãe está apagada em overdose
O padre aceita a sua sina imposta
E a mãe tomou para sempre sua última dose

O destino dos inocentes nem sempre é justo
Depende de quem atravesse o seu caminho
Algumas vezes é terrível a qualquer custo
E o bebê morre sem receber um último carinho

Adam Mattos
Destino

Uma criança chora sozinha no berço
Uma gaivota mergulha atrás de comida
Um padre se apega forte ao seu terço
A fera uiva na floresta para ser temida

O peixe vira presa fácil no oceano
Um homem aponta sua arma na igreja
Ele sabe bem qual é o seu plano
Primeiro mata e depois esquarteja

A criança faminta agoniza sem resposta
Sua mãe está apagada em overdose
O padre aceita a sua sina imposta
E a mãe tomou para sempre sua última dose

O destino dos inocentes nem sempre é justo
Depende de quem atravesse o seu caminho
Algumas vezes é terrível a qualquer custo
E o bebê morre sem receber um último carinho