Heroína - Adam Mattos
Adam Mattos
Sou advogado, aficcionado por leitura de todos os gêneros, e a minha grande paixão recém descoberta é a escrita.
Já publiquei em algumas antologias de terror e de temas variados, além de ter publicado também em antologias de poesias.
O maldito me fascina, tanto na leitura quanto na escrita, meu objetivo é causar calafrios em quem lê, e em mim mesmo que escrevo.
O feio, subversivo e errante é o mal aglutinador da espécie humana, que merece ser dominado pelo medo. Cuidado, aprecie minhas obras com a mente aberta e o estômago forte.







Heroína

Ouço um sussurro bem baixinho

Tenho que me esforçar para entender

Parece o choro de um bezerrinho

Mas está tentando me ofender?

 

Não sei, algo no tom não está certo

O choro ou grunhido me acusa

Isso me deixa muito confusa

O que acontece é incerto

 

Acordo assustada e olho para o lado

Meu braço espetado ainda com a agulha

Minha mente em escuridão, mergulha

E meu corpo parece mutilado

 

Quando me lembro, pulo correndo

Encontro meu bebê dormindo no canto

Percebo que não está se mexendo

Enrolado em seu manto

 

Minha vida se acabou junto à dele

Negligenciei meu bem mais precioso

Viajei e não deixei que ninguém o acautele

E agora encaro o presente horroroso

Adam Mattos
Heroína

Ouço um sussurro bem baixinho

Tenho que me esforçar para entender

Parece o choro de um bezerrinho

Mas está tentando me ofender?

 

Não sei, algo no tom não está certo

O choro ou grunhido me acusa

Isso me deixa muito confusa

O que acontece é incerto

 

Acordo assustada e olho para o lado

Meu braço espetado ainda com a agulha

Minha mente em escuridão, mergulha

E meu corpo parece mutilado

 

Quando me lembro, pulo correndo

Encontro meu bebê dormindo no canto

Percebo que não está se mexendo

Enrolado em seu manto

 

Minha vida se acabou junto à dele

Negligenciei meu bem mais precioso

Viajei e não deixei que ninguém o acautele

E agora encaro o presente horroroso