O Forasteiro - Adam Mattos
Adam Mattos
Sou advogado, aficcionado por leitura de todos os gêneros, e a minha grande paixão recém descoberta é a escrita.
Já publiquei em algumas antologias de terror e de temas variados, além de ter publicado também em antologias de poesias.
O maldito me fascina, tanto na leitura quanto na escrita, meu objetivo é causar calafrios em quem lê, e em mim mesmo que escrevo.
O feio, subversivo e errante é o mal aglutinador da espécie humana, que merece ser dominado pelo medo. Cuidado, aprecie minhas obras com a mente aberta e o estômago forte.







O Forasteiro

– Ok, vamos pro meio do mato, aonde ninguém vai nos ouvir e nos ver, quem morrer fica por lá mesmo e o outro vai embora sem perigo de se encrencar com a polícia.

– Então tá bom, vamos lá.

Os dois pegaram o litro de uísque já pela metade e foram rumo à floresta, se embrenharam uns bons 200 metros no meio do matagal, quando acharam uma pequena clareira que os dois concordaram ser o local ideal.

Juarez, colocou uma bala no revólver, girou o tambor e entregou a Antenor que estava tremendo de medo. Antenor pegou o revólver, bebeu uns três goles de uísque direto da garrafa, apontou a arma para a têmpora direita e disparou.

O disparo soou alto e dilacerou metade da sua cabeça, fazendo Antenor cair morto imediatamente de lado no mato. Juarez pegou o revólver calmamente, abriu o tambor e viu que este estava completamente cheio, o revólver que havia mostrado para Antenor estava guardado na cintura. Ele já tinha perdido as contas de quantas vezes havia feito esse truque, em que troca as armas quando as pessoas estão com tanto medo que se distraem. Pegou a garrafa de uísque, bebeu o restante em um só gole e saiu da floresta em direção ao seu carro, com um ar de triunfo no rosto.

Páginas: 1 2 3 4 5

Adam Mattos
O Forasteiro

– Ok, vamos pro meio do mato, aonde ninguém vai nos ouvir e nos ver, quem morrer fica por lá mesmo e o outro vai embora sem perigo de se encrencar com a polícia.

– Então tá bom, vamos lá.

Os dois pegaram o litro de uísque já pela metade e foram rumo à floresta, se embrenharam uns bons 200 metros no meio do matagal, quando acharam uma pequena clareira que os dois concordaram ser o local ideal.

Juarez, colocou uma bala no revólver, girou o tambor e entregou a Antenor que estava tremendo de medo. Antenor pegou o revólver, bebeu uns três goles de uísque direto da garrafa, apontou a arma para a têmpora direita e disparou.

O disparo soou alto e dilacerou metade da sua cabeça, fazendo Antenor cair morto imediatamente de lado no mato. Juarez pegou o revólver calmamente, abriu o tambor e viu que este estava completamente cheio, o revólver que havia mostrado para Antenor estava guardado na cintura. Ele já tinha perdido as contas de quantas vezes havia feito esse truque, em que troca as armas quando as pessoas estão com tanto medo que se distraem. Pegou a garrafa de uísque, bebeu o restante em um só gole e saiu da floresta em direção ao seu carro, com um ar de triunfo no rosto.

Páginas: 1 2 3 4 5