CHORANDO SEM SABER - Allan Fear
Allan Fear
Eu sou Allan Fear, um escritor de contos, em sua maioria de terror. Desde a adolescência que gostava de escrever e desenhar, confesso que tenho um gosto um tanto excêntrico pelo horror. Vivo tendo idéias horripilantes o tempo todo. Gosto de escrever contos tanto para crianças quanto para adultos.
Eu tenho algumas obras publicadas pela editora Clube de Autores e continuo escrevendo. Recentemente dei vida a meu alter ego inumano, o Sr. Medo, que narra alguns de meus contos para um canal no You Tube.
Eu gosto muito de ler livros de mistério, HQ's, ver filmes e ouvir antigas canções de Heavy metal, mas o que me inspira mesmo a escrever é a boa e velha música clássica.
E-mail: noitesdehalloween@gmail.com
Site: https://noitesdehalloween.wixsite.com/allanfear





CHORANDO SEM SABER

Na noite eu acordo sem saber.

Falo sem me entender.

Ando sem destino antes do amanhecer.

Acordo e choro sem saber.

Onde estou e o que fazer.

Mas logo as sombras que me rodeiam vêm e me dizem.

O que eu ainda não sei.

Que caí sem atingir o solo.

Uma queda mortal, sem destino igual.

Uma morte cerebral.

Mas consigo tocar sem sentir.

Andar sem me mover.

Pensar sem me entender.

Chorar sem me emocionar.

Eu consigo enxergar com meus olhos fechados.

Sob o vazio eu estou.

Enterrado em meu túmulo meu corpo se apodrece.

Mas estou sofrendo após a morte, uma dor incurável.

Chorando sem saber.

Sonhando sem dormir.

Morrendo sem viver.

Em um carrossel de ilusões.

Preso em um infinito vazio de depressões.

 

 

Allan Fear
CHORANDO SEM SABER

Na noite eu acordo sem saber.

Falo sem me entender.

Ando sem destino antes do amanhecer.

Acordo e choro sem saber.

Onde estou e o que fazer.

Mas logo as sombras que me rodeiam vêm e me dizem.

O que eu ainda não sei.

Que caí sem atingir o solo.

Uma queda mortal, sem destino igual.

Uma morte cerebral.

Mas consigo tocar sem sentir.

Andar sem me mover.

Pensar sem me entender.

Chorar sem me emocionar.

Eu consigo enxergar com meus olhos fechados.

Sob o vazio eu estou.

Enterrado em meu túmulo meu corpo se apodrece.

Mas estou sofrendo após a morte, uma dor incurável.

Chorando sem saber.

Sonhando sem dormir.

Morrendo sem viver.

Em um carrossel de ilusões.

Preso em um infinito vazio de depressões.