ESPERANDO PELA LUZ DO AMANHÃ - Allan Fear
Allan Fear
Eu sou Allan Fear, um escritor de contos, em sua maioria de terror. Desde a adolescência que gostava de escrever e desenhar, confesso que tenho um gosto um tanto excêntrico pelo horror. Vivo tendo idéias horripilantes o tempo todo. Gosto de escrever contos tanto para crianças quanto para adultos.
Eu tenho algumas obras publicadas pela editora Clube de Autores e continuo escrevendo. Recentemente dei vida a meu alter ego inumano, o Sr. Medo, que narra alguns de meus contos para um canal no You Tube.
Eu gosto muito de ler livros de mistério, HQ's, ver filmes e ouvir antigas canções de Heavy metal, mas o que me inspira mesmo a escrever é a boa e velha música clássica.
E-mail: noitesdehalloween@gmail.com
Site: https://noitesdehalloween.wixsite.com/allanfear





ESPERANDO PELA LUZ DO AMANHÃ

Vendo o pôr do sol

O dia acabar

A noite escura chegar

A lua lá no céu brilhar e criaturas sinistras, aqui na terra uivar.

 

Sentindo o terror da morte negra se aproximar

Vendo criaturas macabras a nos observar

Com desejos insaciáveis de nos devorar

O pesadelo só vai acabar quando morrermos

É o pressentimento que vem a nos assombrar

 

Nas entranhas do vale mal-assombrado e sob um céu estrelado,

Estamos encurralados,

Trêmulos e apavorados

 

Mas na madrugada que nos cerca com terror

Há uma faísca de esperança

Perdidos, perseguidos, somos fugitivos

Uivos impetuosos cortam a madrugada de trevas

Ecoando em nossos ouvidos como cantigas da morte

Procuramos pela luz, mas na noite de horror só há trevas.

 

Só o dia trará a esperança

A luz e a salvação de nossas almas condenadas

Lutaremos contra demônios famintos

E tentaremos sobreviver

Esperando pela luz do amanhã

Que para nós

Pode nunca chegar.

 

Allan Fear
ESPERANDO PELA LUZ DO AMANHÃ

Vendo o pôr do sol

O dia acabar

A noite escura chegar

A lua lá no céu brilhar e criaturas sinistras, aqui na terra uivar.

 

Sentindo o terror da morte negra se aproximar

Vendo criaturas macabras a nos observar

Com desejos insaciáveis de nos devorar

O pesadelo só vai acabar quando morrermos

É o pressentimento que vem a nos assombrar

 

Nas entranhas do vale mal-assombrado e sob um céu estrelado,

Estamos encurralados,

Trêmulos e apavorados

 

Mas na madrugada que nos cerca com terror

Há uma faísca de esperança

Perdidos, perseguidos, somos fugitivos

Uivos impetuosos cortam a madrugada de trevas

Ecoando em nossos ouvidos como cantigas da morte

Procuramos pela luz, mas na noite de horror só há trevas.

 

Só o dia trará a esperança

A luz e a salvação de nossas almas condenadas

Lutaremos contra demônios famintos

E tentaremos sobreviver

Esperando pela luz do amanhã

Que para nós

Pode nunca chegar.