Medidas de dor e prazer - Allan Fear
Allan Fear
Eu sou Allan Fear, um escritor de contos, em sua maioria de terror. Desde a adolescência que gostava de escrever e desenhar, confesso que tenho um gosto um tanto excêntrico pelo horror. Vivo tendo idéias horripilantes o tempo todo. Gosto de escrever contos tanto para crianças quanto para adultos.
Eu tenho algumas obras publicadas pela editora Clube de Autores e continuo escrevendo. Recentemente dei vida a meu alter ego inumano, o Sr. Medo, que narra alguns de meus contos para um canal no You Tube.
Eu gosto muito de ler livros de mistério, HQ's, ver filmes e ouvir antigas canções de Heavy metal, mas o que me inspira mesmo a escrever é a boa e velha música clássica.
E-mail: noitesdehalloween@gmail.com
Site: https://noitesdehalloween.wixsite.com/allanfear





Medidas de dor e prazer

Desejamos a dor, que jaz de ser o fruto proibido para o nosso amor.
Nós somos a mais alta personificação da vida humana.
Torturamo-nos, só assim alcançamos o que desejamos.
A dor que nos tortura é a dor que nos tira da vida de amargura.
Juntamo-nos as sombras para conseguir prazer, prazer de nos ver sofrer.
Parecemos fantasiados, mascarados, torturados, exilados…
Nós jogamos com nossas vidas.
Mas não adoramos a dor porque ela nos dá poder ou porque precisamos de poder, mas sim porque adoramos nos ver sofrer, sofrer até gritar e quase morrer.
É na dor que encontramos prazer, prazer de nos ver sofrer e até mesmo enlouquecer.
Obcecados pelo prazer, hoje somos o que queremos ser.
Por isso adotamos medidas de dor e prazer.

Allan Fear
Medidas de dor e prazer

Desejamos a dor, que jaz de ser o fruto proibido para o nosso amor.
Nós somos a mais alta personificação da vida humana.
Torturamo-nos, só assim alcançamos o que desejamos.
A dor que nos tortura é a dor que nos tira da vida de amargura.
Juntamo-nos as sombras para conseguir prazer, prazer de nos ver sofrer.
Parecemos fantasiados, mascarados, torturados, exilados…
Nós jogamos com nossas vidas.
Mas não adoramos a dor porque ela nos dá poder ou porque precisamos de poder, mas sim porque adoramos nos ver sofrer, sofrer até gritar e quase morrer.
É na dor que encontramos prazer, prazer de nos ver sofrer e até mesmo enlouquecer.
Obcecados pelo prazer, hoje somos o que queremos ser.
Por isso adotamos medidas de dor e prazer.