Um amor doentio - Allan Fear
Allan Fear
Eu sou Allan Fear, um escritor de contos, em sua maioria de terror. Desde a adolescência que gostava de escrever e desenhar, confesso que tenho um gosto um tanto excêntrico pelo horror. Vivo tendo idéias horripilantes o tempo todo. Gosto de escrever contos tanto para crianças quanto para adultos.
Eu tenho algumas obras publicadas pela editora Clube de Autores e continuo escrevendo. Recentemente dei vida a meu alter ego inumano, o Sr. Medo, que narra alguns de meus contos para um canal no You Tube.
Eu gosto muito de ler livros de mistério, HQ's, ver filmes e ouvir antigas canções de Heavy metal, mas o que me inspira mesmo a escrever é a boa e velha música clássica.
E-mail: noitesdehalloween@gmail.com
Site: https://noitesdehalloween.wixsite.com/allanfear





Um amor doentio

Como nuvens negras que surgiram sorrateiras e transformaram um belo dia de sol em um sombrio dia de chuva, lançando suas sombras frias capazes de congelar até mesmo as almas dos mortais, o amor de Jerry por Karen findou-se num piscar de olhos.

            Em um momento estavam juntos, felizes, mas em outro, lá estava Jerry, cabisbaixo naquele vale de sombras e lágrimas.

            Ele perdeu tudo, estava na sarjeta, em uma noite fria, triste e sem luar. A escuridão o envolvia, ele podia sentir o sabor das trevas, tão amargo e áspero como inalar uma tóxica fumaça negra.

            Ele havia deixado sua amada sozinha, chorando. Mas então percebeu que não havia nada sem ela, apenas um vazio que o corroía por dentro como uma ulcera faminta.

            Jerry entendia sua situação. Sim, ele estava consciente, mas não podia se livrar da dor de perder sua amada. Aquela doce e meiga garota que despertou nele um sentimento, estranho no começo, meio doloroso, mas que por fim se tornara tão doce, como açúcar sobre açúcar.

            Ele queria estar lá com ela agora, sempre. Trilhando juntos os caminhos incertos da vida, descobrindo até onde aquele sentimento os conduziriam.

            Mas ele teve de partir, e agora só queria retornar para os braços de sua amada. Aquela doce garota foi quem deu sentido à sua vida, o fizera descobrir sentimentos e sensações que ele jamais pensou que pudessem existir.

            Ele precisava voltar. Esse passou a ser seu pensamento dia após dia, tornando-se uma obsessão.

            Jerry percorreu longas distâncias, encarando lugares hostis e seguindo pistas falsas, mas então quando deixou que seu coração despedaçado o guiasse, ele achou o caminho certo. Ele se reencontrou e poderia enfim se reerguer e sacudir a poeira de suas vestes e caminhar na trilha certa para os braços de sua amada.

            Era estranho estar voltando para ela depois de todo esse tempo, ele colheu umas rosas vermelhas no jardim de uma casa e seguiu para seu grande amor.

            Era noite, muito tarde da noite. Nuvens sombrias encobriam o céu e gotas gélidas caíam alfinetando seu rosto.

Páginas: 1 2 3 4

Allan Fear
Um amor doentio

Como nuvens negras que surgiram sorrateiras e transformaram um belo dia de sol em um sombrio dia de chuva, lançando suas sombras frias capazes de congelar até mesmo as almas dos mortais, o amor de Jerry por Karen findou-se num piscar de olhos.

            Em um momento estavam juntos, felizes, mas em outro, lá estava Jerry, cabisbaixo naquele vale de sombras e lágrimas.

            Ele perdeu tudo, estava na sarjeta, em uma noite fria, triste e sem luar. A escuridão o envolvia, ele podia sentir o sabor das trevas, tão amargo e áspero como inalar uma tóxica fumaça negra.

            Ele havia deixado sua amada sozinha, chorando. Mas então percebeu que não havia nada sem ela, apenas um vazio que o corroía por dentro como uma ulcera faminta.

            Jerry entendia sua situação. Sim, ele estava consciente, mas não podia se livrar da dor de perder sua amada. Aquela doce e meiga garota que despertou nele um sentimento, estranho no começo, meio doloroso, mas que por fim se tornara tão doce, como açúcar sobre açúcar.

            Ele queria estar lá com ela agora, sempre. Trilhando juntos os caminhos incertos da vida, descobrindo até onde aquele sentimento os conduziriam.

            Mas ele teve de partir, e agora só queria retornar para os braços de sua amada. Aquela doce garota foi quem deu sentido à sua vida, o fizera descobrir sentimentos e sensações que ele jamais pensou que pudessem existir.

            Ele precisava voltar. Esse passou a ser seu pensamento dia após dia, tornando-se uma obsessão.

            Jerry percorreu longas distâncias, encarando lugares hostis e seguindo pistas falsas, mas então quando deixou que seu coração despedaçado o guiasse, ele achou o caminho certo. Ele se reencontrou e poderia enfim se reerguer e sacudir a poeira de suas vestes e caminhar na trilha certa para os braços de sua amada.

            Era estranho estar voltando para ela depois de todo esse tempo, ele colheu umas rosas vermelhas no jardim de uma casa e seguiu para seu grande amor.

            Era noite, muito tarde da noite. Nuvens sombrias encobriam o céu e gotas gélidas caíam alfinetando seu rosto.

Páginas: 1 2 3 4