Fantasma - Ana Rosenrot
Ana Rosenrot
Ana Rosenrot, de Jacareí – SP, é escritora, editora, cineasta trash e pesquisadora de cinema, integrou antologias nacionais e internacionais e participou de várias edições do projeto "A Arte do Terror". Assina a "Coluna CULTíssimo", especializada em cinema e universo cult. No cinema, trabalha com produções independentes, longas e curtas-metragens, quase sempre voltados para o terror e o trash. Recebeu também 7 estatuetas do Prêmio "Corvo de Gesso" (2013-14-15-17), conhecido como "O Oscar do Cinema Trash" e foi curadora das duas edições da “Monstro – Mostra de Cinema Fantástico de Jacareí”(2015-16).
É criadora e editora da Revista LiteraLivre, uma publicação bimestral que uni escritores independentes e autora do livro "Cinema e Cult – vol. 1", lançado em 2018.
http://cultissimo.wixsite.com/anarosenrot/
https://www.facebook.com/AnaRosenrott/
Instagram: @anarosenrot





Fantasma

 

Na escuridão da noite fria,

o fantasma surge em minha cama…

 

Mãos ásperas cobrem meus olhos febris,

e meu grito morre na garganta,

cheiro de morte invade meu nariz…

Não sou mais que uma boneca vazia,

preenchida pelo ódio que do fantasma emana…

 

Da janela minha alma observa,

incorpórea, vazia, cansada de lutar,

por um corpo rasgado, corrompido,

impossível de remendar…

 

As horas passam lentas, nuas,

para mim o sol nunca mais poderá brilhar…

Lá fora, sombras vagueiam pelas ruas,

enquanto o fantasma continua a me assombrar.

 

 

 

 

Ana Rosenrot
Fantasma

 

Na escuridão da noite fria,

o fantasma surge em minha cama…

 

Mãos ásperas cobrem meus olhos febris,

e meu grito morre na garganta,

cheiro de morte invade meu nariz…

Não sou mais que uma boneca vazia,

preenchida pelo ódio que do fantasma emana…

 

Da janela minha alma observa,

incorpórea, vazia, cansada de lutar,

por um corpo rasgado, corrompido,

impossível de remendar…

 

As horas passam lentas, nuas,

para mim o sol nunca mais poderá brilhar…

Lá fora, sombras vagueiam pelas ruas,

enquanto o fantasma continua a me assombrar.