Mau-olhado - Ana Rosenrot
Ana Rosenrot
Ana Rosenrot, de Jacareí – SP, é escritora, editora, cineasta trash e pesquisadora de cinema, integrou antologias nacionais e internacionais e participou de várias edições do projeto "A Arte do Terror". Assina a "Coluna CULTíssimo", especializada em cinema e universo cult. No cinema, trabalha com produções independentes, longas e curtas-metragens, quase sempre voltados para o terror e o trash. Recebeu também 7 estatuetas do Prêmio "Corvo de Gesso" (2013-14-15-17), conhecido como "O Oscar do Cinema Trash" e foi curadora das duas edições da “Monstro – Mostra de Cinema Fantástico de Jacareí”(2015-16).
É criadora e editora da Revista LiteraLivre, uma publicação bimestral que uni escritores independentes e autora do livro "Cinema e Cult – vol. 1", lançado em 2018.
http://cultissimo.wixsite.com/anarosenrot/
https://www.facebook.com/AnaRosenrott/
Instagram: @anarosenrot





Mau-olhado

Até hoje, esse episódio invade meus pesadelos e me aterroriza: tenho sonhos recorrentes com sangue, barbante e lâminas. Tentei drogas e terapia e como nada funcionou, desisti.

 Aquilo me deixou marcado para sempre, meus nervos vivem em frangalhos, minha vida é uma merda; mas apesar do medo, estou estudando os cadernos que encontrei nas coisas que herdei da minha avó depois que ela morreu. Encontrei também, dentro de uma caixa, uma daquelas plantas com formato humano, uma mandrágora, de acordo com minhas pesquisas.

Quem sabe com tudo isso eu aprenda alguma bruxaria, ou feitiço, ou o que quer que seja, para me ajudar a ganhar alguma grana e de quebra ainda ferrar com uns idiotas.

Seria como um tipo de indenização por todo o pavor que eu senti e ainda sinto.

Não custa tentar! Ou será que custa?

 

 

Páginas: 1 2 3 4

Ana Rosenrot
Mau-olhado

Até hoje, esse episódio invade meus pesadelos e me aterroriza: tenho sonhos recorrentes com sangue, barbante e lâminas. Tentei drogas e terapia e como nada funcionou, desisti.

 Aquilo me deixou marcado para sempre, meus nervos vivem em frangalhos, minha vida é uma merda; mas apesar do medo, estou estudando os cadernos que encontrei nas coisas que herdei da minha avó depois que ela morreu. Encontrei também, dentro de uma caixa, uma daquelas plantas com formato humano, uma mandrágora, de acordo com minhas pesquisas.

Quem sabe com tudo isso eu aprenda alguma bruxaria, ou feitiço, ou o que quer que seja, para me ajudar a ganhar alguma grana e de quebra ainda ferrar com uns idiotas.

Seria como um tipo de indenização por todo o pavor que eu senti e ainda sinto.

Não custa tentar! Ou será que custa?

 

 

Páginas: 1 2 3 4