Medo - David Gomes
David Gomes
David Gomes. Meu nome, mas não sou eu. Quem sou fora das palavras? Uma máquina orgânica, complexa, lançada no mundo. Poeta, compositor, musicista repudiado, amante da Filosofia e maníaco das películas de horror. David é medo, desespero, ansiedade, questionamento, gargalhada e choro. Falar sobre um ser humano em construção é algo bastante complicado, posso fornecer sínteses, interpretações, mas somente eu saberei interiormente o que me constitui a cada segundo fracionado. Quem sabe até eu não saiba quem sou. A vida é o maior exemplo concreto de contradição do que se é viver.




Medo

Coloco uma máscara para disfarçar o medo, mas a máscara sempre cai
Medo de não mais errar, mas de já ter estragado algo
Medo do presente, do fundo, do incerto, do escuro, do luto
No mundo não tenho percepção do que está por vir
A duração do meu corpo no tempo tem fim
Sei que o medo não é só para mim
Para nós quero redução do medo, não sua extinção, pois o medo nos toca quase sempre
Nos faz vivos, gente
Medo da mente.

 

Coloco uma máscara para disfarçar o medo, mas a máscara sempre cai
Medo de não mais errar, mas de já ter estragado algo
Medo do presente, do fundo, do incerto, do escuro, do luto
No mundo não tenho percepção do que está por vir
A duração do meu corpo no tempo tem fim
Sei que o medo não é só para mim
Para nós quero redução do medo, não sua extinção, pois o medo nos toca quase sempre
Nos faz vivos, gente
Medo da mente.