Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
E. B. Toniolli
Sou um contador de histórias.
Desde que tenho consiência de minha existência conto histórias.
Sou péssimo com nomes e rostos e a vida das pessoas não me atrai, mas as suas histórias sim.
Cada dia uma nova história, com suas banalidades, com suas expectativas, frustrações, seus sonhos, medos...
Me agrada o caos presente na ordem e a ordem sistemática presente no caos.
E assim levo a vida: entre extremos de crenças e crença nenhuma, entre a criação do novo e a reciclagem do bem e do mau, do belo e do feio.
Entre os diversos meios de retratar a vida, de criar conceitos em empresa, de vender esperanças na harmonia das coisas e das pessoas.
E assim levo a vida, contando histórias.

E-mail: toniolli@gmail.com
Facebook: facebook.com/ebtoniolli




Narcose

Acordas pela manhã de galopante sonho,
Sentindo seu corpo ressequido,
Contempla-te em estado medonho
Demorando em acreditar que terias morrido

Por que eu? Pensas em martírio tristonho
Sentindo os ossos pelos vermes polido
E com a calma que os versos componho
Tentas imaginar o que teria ocorrido.

Então, afinal, compreendes de teu talião
E amaldiçoas teu Deus pela praga
Que devassou teu corpo na escuridão.

Só resta esperar que te consumam as chagas
Com ferocidade de animais em degradação,
Os vermes te corroem como dragas.

 

 

E. B. Toniolli
Narcose

Acordas pela manhã de galopante sonho,
Sentindo seu corpo ressequido,
Contempla-te em estado medonho
Demorando em acreditar que terias morrido

Por que eu? Pensas em martírio tristonho
Sentindo os ossos pelos vermes polido
E com a calma que os versos componho
Tentas imaginar o que teria ocorrido.

Então, afinal, compreendes de teu talião
E amaldiçoas teu Deus pela praga
Que devassou teu corpo na escuridão.

Só resta esperar que te consumam as chagas
Com ferocidade de animais em degradação,
Os vermes te corroem como dragas.