Os malditos poetas - E. B. Toniolli
E. B. Toniolli
Sou um contador de histórias.
Desde que tenho consiência de minha existência conto histórias.
Sou péssimo com nomes e rostos e a vida das pessoas não me atrai, mas as suas histórias sim.
Cada dia uma nova história, com suas banalidades, com suas expectativas, frustrações, seus sonhos, medos...
Me agrada o caos presente na ordem e a ordem sistemática presente no caos.
E assim levo a vida: entre extremos de crenças e crença nenhuma, entre a criação do novo e a reciclagem do bem e do mau, do belo e do feio.
Entre os diversos meios de retratar a vida, de criar conceitos em empresa, de vender esperanças na harmonia das coisas e das pessoas.
E assim levo a vida, contando histórias.

E-mail: toniolli@gmail.com
Facebook: facebook.com/ebtoniolli




Os malditos poetas

Em vão procuras compreender
Vã tentativa
Pensar que resta morrer
Humanidade altiva
Mas nada é como aparenta
Te esqueces
Só teu mundo arrebenta
Apodreces
Deixas o espaço terrestre
Vagas só
Encontras a paz campestre
Do que veio do pó
Teus versos ficaram gravados
Em pergaminhos eruditos
Estão para sempre imortalizados
És um dos poetas malditos.

 

 

Páginas: 1 2

E. B. Toniolli
Os malditos poetas

Em vão procuras compreender
Vã tentativa
Pensar que resta morrer
Humanidade altiva
Mas nada é como aparenta
Te esqueces
Só teu mundo arrebenta
Apodreces
Deixas o espaço terrestre
Vagas só
Encontras a paz campestre
Do que veio do pó
Teus versos ficaram gravados
Em pergaminhos eruditos
Estão para sempre imortalizados
És um dos poetas malditos.

 

 

Páginas: 1 2