Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Fabiano Soares
Formado em jornalismo, detesta jornalismo. Escrito assim em terceira pessoa parece melhor para uma minibiografia. Fabiano tenta se dedicar a muitas coisas, levando-se pela paixão das diversas formas de artes: música, textos, filmes. E é nessa esquizofrenia de interesses, onde tenta dedicar-se um pouco a cada coisa que acaba como um jornalista: sabendo nada de muita coisa. Não sabe fazer música, não sabe escrever textos e não sabe fazer filmes. Mas tenta fazer tudo isso e segue, literalmente, amador. É isso mesmo que ele quer. Apaixonado também por temas sombrios e por uma sombria vontade de avacalhar temas sombrios, não consegue fazer nada sério, portanto, não criem expectativas. Divirtam-se, ou não.
E-mail: fabianocabeludo@yahoo.com.br
Facebook: facebook.com/fabiano. cabeludosoares






Amor maior

Era noite de luar,
Encontrei-o em seus olhos;
Apaixonei-me, a te olhar.
Perguntei-lhe bobeirinhas.
Tu sorriste, cheguei mais perto.

Quanto mais eu ouvia
Mais amor tinha por ti;
Nunca me apaixonara assim,
Logo no primeiro dia.

Então já abobado,
Chamei-te ali pro lado
(Não aguentava mais:
Inspirava e expirava amor).

Aceitaste, pegando minha mão.
Fomos para um canto escuro.
Escondidos e exibidos,
Beijávamo-nos e tocávamo-nos.

E já não me contendo mais,
Pus a mão em teu pescoço.
“Eu te amo mais que tudo.
Simplesmente TE AMO!”
E esperei tu sufocares.

Um alívio me tomou.
Amor maior, não mais senti.
E já sem te amar tanto,
Deitei teu corpo e te comi.

 

Fabiano Soares
Amor maior

Era noite de luar,
Encontrei-o em seus olhos;
Apaixonei-me, a te olhar.
Perguntei-lhe bobeirinhas.
Tu sorriste, cheguei mais perto.

Quanto mais eu ouvia
Mais amor tinha por ti;
Nunca me apaixonara assim,
Logo no primeiro dia.

Então já abobado,
Chamei-te ali pro lado
(Não aguentava mais:
Inspirava e expirava amor).

Aceitaste, pegando minha mão.
Fomos para um canto escuro.
Escondidos e exibidos,
Beijávamo-nos e tocávamo-nos.

E já não me contendo mais,
Pus a mão em teu pescoço.
“Eu te amo mais que tudo.
Simplesmente TE AMO!”
E esperei tu sufocares.

Um alívio me tomou.
Amor maior, não mais senti.
E já sem te amar tanto,
Deitei teu corpo e te comi.