Chatsex_023 - Fabiano Soares
Fabiano Soares
Formado em jornalismo, detesta jornalismo. Escrito assim em terceira pessoa parece melhor para uma minibiografia. Fabiano tenta se dedicar a muitas coisas, levando-se pela paixão das diversas formas de artes: música, textos, filmes. E é nessa esquizofrenia de interesses, onde tenta dedicar-se um pouco a cada coisa que acaba como um jornalista: sabendo nada de muita coisa. Não sabe fazer música, não sabe escrever textos e não sabe fazer filmes. Mas tenta fazer tudo isso e segue, literalmente, amador. É isso mesmo que ele quer. Apaixonado também por temas sombrios e por uma sombria vontade de avacalhar temas sombrios, não consegue fazer nada sério, portanto, não criem expectativas. Divirtam-se, ou não.
E-mail: fabianocabeludo@yahoo.com.br
Facebook: facebook.com/fabiano. cabeludosoares






Chatsex_023

 < Firestarter > oi, quer tc?

Era adolescente nos anos 2000. Internet discada, família pobre.

Sempre a mesma rotina de merda. De dia, vivia enfurnado em casa, solitário; se saía para comprar algo, evitava contato humano. Lia, escrevia, comia, olhava para a parede. Comia, batia uma punheta, lia, olhava para a parede. O relógio: onze e meia. Ligava o computador. Paciência. Perdia. Paciência. Ganhava. Campo minado. Não sabia jogar. Pasta com fotos e montagens pornográficas de mulheres famosas. Onze e cinquenta e nove. Começava a tentar conectar.

Meia-noite. Buscava avidamente contato humano digital. Não de dedo; digital, zeros e uns, essas merdas. “vc quer tc?” Previsível, baixo, sedento. Essa foi minha vida durante um tempo. No mIRC, no ICQ, e até no chat da AOL. No chat de sexo da AOL. E foi na Chatsex_023 que eu me fodi, de um jeito que não tem nada a ver com sexo.

< Firestarter > alguém do RJ?

Paty_gostoXXXinha entrou na sala

< Firestarter > e ae @Paty_gostoXXXinha

Incrível como é fácil iludir homens na internet. Bote qualquer nick que remeta a sexo e certamente vão chover conversas. Se hoje em dia homem velho cai nessas, imagine um adolescente na virada do século. Internet discada, falta de conhecimento, hormônios à flor da pele, capacidade de raciocinar prejudicada pela janela de vídeo pornô dividindo a tela com o chat. Caí fácil.

< Paty_gostoXXXinha > Oiiii @Firestarter ! pvt me!

Pvt me era chamar pra private, conversar sozinhos. Era o objetivo.

Pouparei vocês dos detalhes da conversa, mas era muito baixo. Imagina um jovem punheteiro que está conversando com alguém que se diz garota e gostosa, influenciado pelo vídeo do CumFiesta.com na mesma tela quadrada de computador. Esse era o nível de pensamento, que gerava a conversa vergonhosa. Eu escrevia as mais variadas palavras (dia bonito, praia, bolo, chuva, árvore), mas semanticamente falando, tudo poderia ser traduzido por “quero fuder sua buceta”.

Uma pausa para explicar: sempre soube escrever “foder” e “boceta”, mas certas palavras parecem que são mais bonitas quando lidas na forma oral (com todos os trocadilhos que possam imaginar sobre preferir oral de buceta). Escrever (e ler) “quero foder sua boceta” soa como uma tradução mal feita, aquelas dublagens no estilo Fucker and Sucker. Um pensamento com tesão gera a oralidade essencial.

Volto ao pvt, onde Paty e eu trocamos frases quentes. Investi pesado. Talvez porque o vídeo que estava vendo estava me empolgando; talvez pelo XXX do nick dela remeter a pornô; talvez pela junção dos fatos. Não sei responder. Só sei que enviei fotos minhas e recebi fotos dela.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Fabiano Soares
Chatsex_023

 < Firestarter > oi, quer tc?

Era adolescente nos anos 2000. Internet discada, família pobre.

Sempre a mesma rotina de merda. De dia, vivia enfurnado em casa, solitário; se saía para comprar algo, evitava contato humano. Lia, escrevia, comia, olhava para a parede. Comia, batia uma punheta, lia, olhava para a parede. O relógio: onze e meia. Ligava o computador. Paciência. Perdia. Paciência. Ganhava. Campo minado. Não sabia jogar. Pasta com fotos e montagens pornográficas de mulheres famosas. Onze e cinquenta e nove. Começava a tentar conectar.

Meia-noite. Buscava avidamente contato humano digital. Não de dedo; digital, zeros e uns, essas merdas. “vc quer tc?” Previsível, baixo, sedento. Essa foi minha vida durante um tempo. No mIRC, no ICQ, e até no chat da AOL. No chat de sexo da AOL. E foi na Chatsex_023 que eu me fodi, de um jeito que não tem nada a ver com sexo.

< Firestarter > alguém do RJ?

Paty_gostoXXXinha entrou na sala

< Firestarter > e ae @Paty_gostoXXXinha

Incrível como é fácil iludir homens na internet. Bote qualquer nick que remeta a sexo e certamente vão chover conversas. Se hoje em dia homem velho cai nessas, imagine um adolescente na virada do século. Internet discada, falta de conhecimento, hormônios à flor da pele, capacidade de raciocinar prejudicada pela janela de vídeo pornô dividindo a tela com o chat. Caí fácil.

< Paty_gostoXXXinha > Oiiii @Firestarter ! pvt me!

Pvt me era chamar pra private, conversar sozinhos. Era o objetivo.

Pouparei vocês dos detalhes da conversa, mas era muito baixo. Imagina um jovem punheteiro que está conversando com alguém que se diz garota e gostosa, influenciado pelo vídeo do CumFiesta.com na mesma tela quadrada de computador. Esse era o nível de pensamento, que gerava a conversa vergonhosa. Eu escrevia as mais variadas palavras (dia bonito, praia, bolo, chuva, árvore), mas semanticamente falando, tudo poderia ser traduzido por “quero fuder sua buceta”.

Uma pausa para explicar: sempre soube escrever “foder” e “boceta”, mas certas palavras parecem que são mais bonitas quando lidas na forma oral (com todos os trocadilhos que possam imaginar sobre preferir oral de buceta). Escrever (e ler) “quero foder sua boceta” soa como uma tradução mal feita, aquelas dublagens no estilo Fucker and Sucker. Um pensamento com tesão gera a oralidade essencial.

Volto ao pvt, onde Paty e eu trocamos frases quentes. Investi pesado. Talvez porque o vídeo que estava vendo estava me empolgando; talvez pelo XXX do nick dela remeter a pornô; talvez pela junção dos fatos. Não sei responder. Só sei que enviei fotos minhas e recebi fotos dela.

Páginas: 1 2 3 4 5 6