Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Fabiano Soares
Formado em jornalismo, detesta jornalismo. Escrito assim em terceira pessoa parece melhor para uma minibiografia. Fabiano tenta se dedicar a muitas coisas, levando-se pela paixão das diversas formas de artes: música, textos, filmes. E é nessa esquizofrenia de interesses, onde tenta dedicar-se um pouco a cada coisa que acaba como um jornalista: sabendo nada de muita coisa. Não sabe fazer música, não sabe escrever textos e não sabe fazer filmes. Mas tenta fazer tudo isso e segue, literalmente, amador. É isso mesmo que ele quer. Apaixonado também por temas sombrios e por uma sombria vontade de avacalhar temas sombrios, não consegue fazer nada sério, portanto, não criem expectativas. Divirtam-se, ou não.
E-mail: fabianocabeludo@yahoo.com.br
Facebook: facebook.com/fabiano. cabeludosoares






Chatsex_023

◦ Seu punheteiro, safado! Tu acha que alguma mulher vai querer dar pra você, babaca? – o cara que me enforcava gritou isso no meu ouvido.

Além de estar preso a ele, eu sentia seu hálito de pizza. Filho da puta. Tinha comido melhor do que eu e me deu um soco que quase fez voltar minha mirrada esfiha. O mundo definitivamente não era justo, eu pensava. Para piorar, o careca começou a zombar do que eu escrevia.

◦ “tô louco pra beber yakult direto da fonte! como é que tá a produção de lactobacilos vivos da sua caverninha? hehe”. Temos um Don Juan piadista aqui, vejam vocês. Olha o papo que o cara usa.

Mais risadas. E eu ainda sem saber que Paty não existia, o que me fazia perder tempo pensando em qual seria o relacionamento do careca com ela.

◦ Tem mais do nosso Bukowsky aqui: “meu pau tá latejando aqui, cansado da minha mão direita. E minha mão esquerda não é opção… ehehhe sacou?”

Mais risadas. Sei que você deve estar agora torcendo pelos caras. Mas tenham empatia: , ignorância, adolescência, internet… Eu confesso que escrevia essas diretonas, mas no meio tinha muita coisa erótica sem ser tão escroto assim. Eu acho. Mas o careca só pegou os piores trechos. Ele devia estar puto porque ficou de pau duro quando eu escrevia de lamber grelo pressionando levemente com a língua, em movimentos circulares e horizontais; deslizar a mão pelas coxas dela até enfiar o dedo na buceta e puxar a baba lá de dentro, pra cair de boca até me lambuzar todo e espalhar com a língua os fluidos até a portinha do cu, essas coisas.

Tá, você pode falar que não é excitante do modo como escrevo, mas agora nem estou empenhado nisso; naquela época era só o que eu fazia, e eu tentava melhorar as inspirações dos vídeos que eu via. Porque a pornografia, ao menos até os anos 2000, era quase 100% pensada para homens: oito minutos de punheta com boquete, oito minutos de foda vaginal, quatro minutos de foda anal e uma gozada na cara / na boca / nos peitos da atriz. Raramente via-se o homem tentando dar prazer para a mulher através de sexo oral ou dedadas estrategicamente localizadas. Era muito mecânico, frio até, apenas voltado ao prazer masculino. Por sorte minha cabeça criava filmes alternativos com as atrizes. Mas como eu disse, o foco nem é esse.

◦ Você gosta de putaria, né? Vai conhecer os limites com a gente, carinha.

O carro parou. Eu nem estava prestando atenção no trajeto, só pensava na pizza do cara que soltava o bafo no meu nariz, na minha esfiha e no cecê que lutava com o hálito de pizza dele. Tava foda. Abriram a porta e estava em um galpão. Acho que um hangar, pois havia dois aviões de pequeno porte. Algumas jaulas davam um tom sinistro ao ambiente, e forçando a vista percebi que atrás das grades estavam homens e mulheres, todos nus.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Fabiano Soares
Chatsex_023

◦ Seu punheteiro, safado! Tu acha que alguma mulher vai querer dar pra você, babaca? – o cara que me enforcava gritou isso no meu ouvido.

Além de estar preso a ele, eu sentia seu hálito de pizza. Filho da puta. Tinha comido melhor do que eu e me deu um soco que quase fez voltar minha mirrada esfiha. O mundo definitivamente não era justo, eu pensava. Para piorar, o careca começou a zombar do que eu escrevia.

◦ “tô louco pra beber yakult direto da fonte! como é que tá a produção de lactobacilos vivos da sua caverninha? hehe”. Temos um Don Juan piadista aqui, vejam vocês. Olha o papo que o cara usa.

Mais risadas. E eu ainda sem saber que Paty não existia, o que me fazia perder tempo pensando em qual seria o relacionamento do careca com ela.

◦ Tem mais do nosso Bukowsky aqui: “meu pau tá latejando aqui, cansado da minha mão direita. E minha mão esquerda não é opção… ehehhe sacou?”

Mais risadas. Sei que você deve estar agora torcendo pelos caras. Mas tenham empatia: , ignorância, adolescência, internet… Eu confesso que escrevia essas diretonas, mas no meio tinha muita coisa erótica sem ser tão escroto assim. Eu acho. Mas o careca só pegou os piores trechos. Ele devia estar puto porque ficou de pau duro quando eu escrevia de lamber grelo pressionando levemente com a língua, em movimentos circulares e horizontais; deslizar a mão pelas coxas dela até enfiar o dedo na buceta e puxar a baba lá de dentro, pra cair de boca até me lambuzar todo e espalhar com a língua os fluidos até a portinha do cu, essas coisas.

Tá, você pode falar que não é excitante do modo como escrevo, mas agora nem estou empenhado nisso; naquela época era só o que eu fazia, e eu tentava melhorar as inspirações dos vídeos que eu via. Porque a pornografia, ao menos até os anos 2000, era quase 100% pensada para homens: oito minutos de punheta com boquete, oito minutos de foda vaginal, quatro minutos de foda anal e uma gozada na cara / na boca / nos peitos da atriz. Raramente via-se o homem tentando dar prazer para a mulher através de sexo oral ou dedadas estrategicamente localizadas. Era muito mecânico, frio até, apenas voltado ao prazer masculino. Por sorte minha cabeça criava filmes alternativos com as atrizes. Mas como eu disse, o foco nem é esse.

◦ Você gosta de putaria, né? Vai conhecer os limites com a gente, carinha.

O carro parou. Eu nem estava prestando atenção no trajeto, só pensava na pizza do cara que soltava o bafo no meu nariz, na minha esfiha e no cecê que lutava com o hálito de pizza dele. Tava foda. Abriram a porta e estava em um galpão. Acho que um hangar, pois havia dois aviões de pequeno porte. Algumas jaulas davam um tom sinistro ao ambiente, e forçando a vista percebi que atrás das grades estavam homens e mulheres, todos nus.

Páginas: 1 2 3 4 5 6