Vísceras poéticas de um analfabeto - Fabiano Soares
Fabiano Soares
Formado em jornalismo, detesta jornalismo. Escrito assim em terceira pessoa parece melhor para uma minibiografia. Fabiano tenta se dedicar a muitas coisas, levando-se pela paixão das diversas formas de artes: música, textos, filmes. E é nessa esquizofrenia de interesses, onde tenta dedicar-se um pouco a cada coisa que acaba como um jornalista: sabendo nada de muita coisa. Não sabe fazer música, não sabe escrever textos e não sabe fazer filmes. Mas tenta fazer tudo isso e segue, literalmente, amador. É isso mesmo que ele quer. Apaixonado também por temas sombrios e por uma sombria vontade de avacalhar temas sombrios, não consegue fazer nada sério, portanto, não criem expectativas. Divirtam-se, ou não.
E-mail: fabianocabeludo@yahoo.com.br
Facebook: facebook.com/fabiano. cabeludosoares






Vísceras poéticas de um analfabeto

“Oi, moça, eu num sô ladrão, não. Só tô pedinumajuda, prá compretá um dinheirinho pralmoçá.
Num vô falá que num bebo, mazé difícil agüentá morá na rua, sabe? Eu…” – vuuuuoooosh.
Ou:
“Boa tarde, sinhô, tudo bem? Cê mi vê assim dessi jeitu, maeu num sô vagabundu, não. É quieu tô cum fome mesmu, e pedí é mió qui robá. Num tem nem uma moedinha aí? Só preu podê cumê alguma coisa. Num vô mentí, eu gostu duma cachacinha, sim… Maeu tô cum fomi mesmu – tlintlin. Ôoo, brigado! Deus abençoe!”

Geralmenti era assim quieu consiguia meu dinhero na rua. Meus colegas falavam preu pará di falá di bebida, mazé meu jeitu, sempri prifiri sê sincero. Num funciona com todo mundu, mas há quem visse quieu falavà verdadi, i sintia mais vontadi di mi dá aqueli trocadu – que num faz diferença nenhuma pra eli no fim do dia, mas que transformava meu dia, e me davisperança di vivê!

Mas comocês num são bobo, devem tê percebidu quieu só tô falando “fazia, falava, pedia”… tudu qui num façu mais. I agora tão pensando, pelo modo comua história tá contada, que si não faço mais, devu tê achadum bilheti premiadu da lotu. Quem dera. Iessa volta toda qui tô danu… tem genti qui chama distilo, né? Nu meu cazé frescuriosadia! Explicaqui: frescura purquieu pudia sê mais diretu, sem ficá inuivoltanu, toda hora; i ousadia porquieu tô nazúltimas, i posso morrê antes disso terminá. Intão, anotaissaí, ìscrevi depois, purquieu achu qui mereçu. Comeu sô frescurentu, anota du jeitu quieu tô contanu… vô resumí, qui tapertanaqui.

Olhaqui, pru chãu. Esse líquidu é valiosu, só prá mim. Pruzômi ele num tem valô ninhum! É meu sangui! É minha vida! Sempri fui pobrìanalfabetu, i minha vida semprìncomodou uzôtu. Mas agora, eu decidi mi abrí, e fiz issu… – tuuf tuf. Tava morrenu di fomi. Fomi, dum jeitu qui vocês num sabi do quieu tô falanu – haam huum. Eu quirìscrevê um livru… Vivi tanta coisa. I a fomi.

Ninguém mi matô. Eu qui abri minha barriga. Na unha. Quis mostrá prá velha… ela divia tê minhidadi… quiria mostrá prá ela quieu tava ca barriga vazia mesmu, num era mintira. I vô morrê, ca barriga mais vazia ainda. Olhaqui, minhas tripa tudu inuimbora nessi mar vermelhu – haam thaaam.

Páginas: 1 2

Fabiano Soares
Vísceras poéticas de um analfabeto

“Oi, moça, eu num sô ladrão, não. Só tô pedinumajuda, prá compretá um dinheirinho pralmoçá.
Num vô falá que num bebo, mazé difícil agüentá morá na rua, sabe? Eu…” – vuuuuoooosh.
Ou:
“Boa tarde, sinhô, tudo bem? Cê mi vê assim dessi jeitu, maeu num sô vagabundu, não. É quieu tô cum fome mesmu, e pedí é mió qui robá. Num tem nem uma moedinha aí? Só preu podê cumê alguma coisa. Num vô mentí, eu gostu duma cachacinha, sim… Maeu tô cum fomi mesmu – tlintlin. Ôoo, brigado! Deus abençoe!”

Geralmenti era assim quieu consiguia meu dinhero na rua. Meus colegas falavam preu pará di falá di bebida, mazé meu jeitu, sempri prifiri sê sincero. Num funciona com todo mundu, mas há quem visse quieu falavà verdadi, i sintia mais vontadi di mi dá aqueli trocadu – que num faz diferença nenhuma pra eli no fim do dia, mas que transformava meu dia, e me davisperança di vivê!

Mas comocês num são bobo, devem tê percebidu quieu só tô falando “fazia, falava, pedia”… tudu qui num façu mais. I agora tão pensando, pelo modo comua história tá contada, que si não faço mais, devu tê achadum bilheti premiadu da lotu. Quem dera. Iessa volta toda qui tô danu… tem genti qui chama distilo, né? Nu meu cazé frescuriosadia! Explicaqui: frescura purquieu pudia sê mais diretu, sem ficá inuivoltanu, toda hora; i ousadia porquieu tô nazúltimas, i posso morrê antes disso terminá. Intão, anotaissaí, ìscrevi depois, purquieu achu qui mereçu. Comeu sô frescurentu, anota du jeitu quieu tô contanu… vô resumí, qui tapertanaqui.

Olhaqui, pru chãu. Esse líquidu é valiosu, só prá mim. Pruzômi ele num tem valô ninhum! É meu sangui! É minha vida! Sempri fui pobrìanalfabetu, i minha vida semprìncomodou uzôtu. Mas agora, eu decidi mi abrí, e fiz issu… – tuuf tuf. Tava morrenu di fomi. Fomi, dum jeitu qui vocês num sabi do quieu tô falanu – haam huum. Eu quirìscrevê um livru… Vivi tanta coisa. I a fomi.

Ninguém mi matô. Eu qui abri minha barriga. Na unha. Quis mostrá prá velha… ela divia tê minhidadi… quiria mostrá prá ela quieu tava ca barriga vazia mesmu, num era mintira. I vô morrê, ca barriga mais vazia ainda. Olhaqui, minhas tripa tudu inuimbora nessi mar vermelhu – haam thaaam.

Páginas: 1 2