Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Flávio Assumpção
Eu escrevo desde 2007. Trabalho com contos de terror e ficção científica. Fui influenciado por Lautreamont, Marquês de Sade, Philip K. Dick, Robert Anton Wilson, Willian Burroughs, Augusto dos Anjos, Hakim Bey, Alan Moore, Clive Barker, entre outros. Quando não estou sob a influência dos demônios do caos, costumo trabalhar como psicólogo clínico na cidade de São Paulo.





Clínica de aborto

Paulo era um médico sem escrúpulos. Possuía inúmeros processos em suas costas e sua licença para exercer a medicina havia sido caçada. Mas isso não o impedia de realizar as suas barbaridades no fundo de sua casa, fazia atendimentos, cirurgias pequenas e abortos de maneira clandestina. Possuía uma clientela muito grande variando de pessoas comuns até os grandes barões da sociedade como advogados, médicos,juízes ,padres e políticos. Claro que estes sempre procuravam por seus serviços para realizar abortos nas meninas que engravidavam destes distintos senhores. Paulo lucrava com grades quantias em dinheiro por seus trabalhos. A sua ética era determinada por sua conta bancária.
Sua clínica clandestina não possuía condições mínimas de higiene parecendo mais um grande açougue de baixa qualidade sanitária. Paulo era um obscurecido por suas habilidades cirúrgicas e por sua obsessão pelo dinheiro.
Certa noite a se recolher para o seu quarto enquanto se preparava para dormir. Paulo ouviu um estranho ruído vindo da sala, o barulho se assemelhava ao som de um gato miando. Ele pensou que poderiam ser os gatos dos vizinhos miando do lado de fora de sua casa. Colocou seu pijama e foi se deitar. Apagou as luzes e deitou sua cabeça no travesseiro. Apesar de cometer suas barbaridades em sua clínica clandestina durante o dia o seu sono a noite era o mais tranqüilo de todos. Em sua mente fria não havia lugar para pesadelos, arrependimentos ou remorso. Mesmo sendo um infanticida nato Paulo dormia sempre como um bebê. Relaxa com o prazer de ter concluído mais um dia trabalho bem feito.
No meio da noite ele acorda assustado com um grito agudo e forte. Ele pensou que novamente poderiam ser os gatos dos vizinhos e que dessa fez eles estariam se acasalando bem no seu quintal. Nada com o que se preocupar voltaria ao seu sono muito breve.
A madrugada já trazia a sua música silenciosa aos ouvidos daqueles que dormiam se preparando para o próximo dia quando outro barulho irrompeu no meio da sala de Paulo. Dessa vez ele acordou mais assustado, talvez os gatos tivessem invadido a sua casa. Ele se levantou de sua cama e foi ver o que estava acontecendo. Desceu para o andar de baixo de sua residência que era um belo sobrado de quatro dormitórios e algumas suítes. Ao descer as escadas ele verificou que alguns móveis de sua sala estavam revirados e sujos com manchas vermelhas que se assemelhavam ao sangue humano. Dessa vez Paulo ficou preocupado e checou se aquelas manchas eram sangue realmente. Ele se aproximou e sentiu o forte cheiro de ferro típico de sangue fresco naquelas manchas rubras em seus móveis da sala.

Páginas: 1 2 3 4

Flávio Assumpção
Clínica de aborto

Paulo era um médico sem escrúpulos. Possuía inúmeros processos em suas costas e sua licença para exercer a medicina havia sido caçada. Mas isso não o impedia de realizar as suas barbaridades no fundo de sua casa, fazia atendimentos, cirurgias pequenas e abortos de maneira clandestina. Possuía uma clientela muito grande variando de pessoas comuns até os grandes barões da sociedade como advogados, médicos,juízes ,padres e políticos. Claro que estes sempre procuravam por seus serviços para realizar abortos nas meninas que engravidavam destes distintos senhores. Paulo lucrava com grades quantias em dinheiro por seus trabalhos. A sua ética era determinada por sua conta bancária.
Sua clínica clandestina não possuía condições mínimas de higiene parecendo mais um grande açougue de baixa qualidade sanitária. Paulo era um obscurecido por suas habilidades cirúrgicas e por sua obsessão pelo dinheiro.
Certa noite a se recolher para o seu quarto enquanto se preparava para dormir. Paulo ouviu um estranho ruído vindo da sala, o barulho se assemelhava ao som de um gato miando. Ele pensou que poderiam ser os gatos dos vizinhos miando do lado de fora de sua casa. Colocou seu pijama e foi se deitar. Apagou as luzes e deitou sua cabeça no travesseiro. Apesar de cometer suas barbaridades em sua clínica clandestina durante o dia o seu sono a noite era o mais tranqüilo de todos. Em sua mente fria não havia lugar para pesadelos, arrependimentos ou remorso. Mesmo sendo um infanticida nato Paulo dormia sempre como um bebê. Relaxa com o prazer de ter concluído mais um dia trabalho bem feito.
No meio da noite ele acorda assustado com um grito agudo e forte. Ele pensou que novamente poderiam ser os gatos dos vizinhos e que dessa fez eles estariam se acasalando bem no seu quintal. Nada com o que se preocupar voltaria ao seu sono muito breve.
A madrugada já trazia a sua música silenciosa aos ouvidos daqueles que dormiam se preparando para o próximo dia quando outro barulho irrompeu no meio da sala de Paulo. Dessa vez ele acordou mais assustado, talvez os gatos tivessem invadido a sua casa. Ele se levantou de sua cama e foi ver o que estava acontecendo. Desceu para o andar de baixo de sua residência que era um belo sobrado de quatro dormitórios e algumas suítes. Ao descer as escadas ele verificou que alguns móveis de sua sala estavam revirados e sujos com manchas vermelhas que se assemelhavam ao sangue humano. Dessa vez Paulo ficou preocupado e checou se aquelas manchas eram sangue realmente. Ele se aproximou e sentiu o forte cheiro de ferro típico de sangue fresco naquelas manchas rubras em seus móveis da sala.

Páginas: 1 2 3 4