Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Flávio Assumpção
Eu escrevo desde 2007. Trabalho com contos de terror e ficção científica. Fui influenciado por Lautreamont, Marquês de Sade, Philip K. Dick, Robert Anton Wilson, Willian Burroughs, Augusto dos Anjos, Hakim Bey, Alan Moore, Clive Barker, entre outros. Quando não estou sob a influência dos demônios do caos, costumo trabalhar como psicólogo clínico na cidade de São Paulo.





Viking

Sinto o cheiro da chuva.
Misturando-se com o cheiro do sangue de meus homens mortos.
Queimem meu corpo em um drakkar e o jogue ao mar.
Deixe que o feroz kraken se encarregue do resto.
Meus dedos estão congelados pelo frio.
Meu cabelo está molhado pela chuva sagrada.
Em minha mão direita eu seguro meu machado.
Que recebi das mãos de Erik machado sangrento.
Na mão esquerda seguro minha espada.
A mesma que ganhei de Halfdan o negro.
Em meu braço esquerdo também,
Está meu escudo.
O mesmo que era de meu pai.
Lutarei pela honra de meus irmãos mortos nessa batalha.
Por meus filhos e por minha esposa.
Pela honra de meu povo e de meus antepassados.
Lutarei pelo meu reino.
Por minha coroa e pela glória.
O vento aumenta.
Balançando meus cabelos e minha barba.
Ouço o urro dos inimigos.
Olhando para mim como animais.
Olham para mim como se eu fosse sua presa.
Ouço o chiado de suas espadas desembainhadas.
Os tambores de guerra tocam com força.
Fazendo o chão tremer sob meus pés.
Não sinto medo.

Páginas: 1 2 3 4 5

Sinto o cheiro da chuva.
Misturando-se com o cheiro do sangue de meus homens mortos.
Queimem meu corpo em um drakkar e o jogue ao mar.
Deixe que o feroz kraken se encarregue do resto.
Meus dedos estão congelados pelo frio.
Meu cabelo está molhado pela chuva sagrada.
Em minha mão direita eu seguro meu machado.
Que recebi das mãos de Erik machado sangrento.
Na mão esquerda seguro minha espada.
A mesma que ganhei de Halfdan o negro.
Em meu braço esquerdo também,
Está meu escudo.
O mesmo que era de meu pai.
Lutarei pela honra de meus irmãos mortos nessa batalha.
Por meus filhos e por minha esposa.
Pela honra de meu povo e de meus antepassados.
Lutarei pelo meu reino.
Por minha coroa e pela glória.
O vento aumenta.
Balançando meus cabelos e minha barba.
Ouço o urro dos inimigos.
Olhando para mim como animais.
Olham para mim como se eu fosse sua presa.
Ouço o chiado de suas espadas desembainhadas.
Os tambores de guerra tocam com força.
Fazendo o chão tremer sob meus pés.
Não sinto medo.

Páginas: 1 2 3 4 5