Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Gerson Machado De Avillez
Vendedor de ideias e traficante de placebos. Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).
E-mail: gersonavillez46@hotmail.com
Site: gersonavillez.jimdo.com





Armadilha dos Sonhos

Minha amável musa acadêmica recostou-se no travesseiro e numa centelha de pensamentos questionou tudo aquilo, mas ela tinha certeza de que sonharia comigo de modo que assim ela disse.

— Vou dormir para tentar te encontrar em sonhos.

Tão logo um sono leve levou sua consciência para além do mundo desperto e lá me encontrou, sorri para ela e em sonhos ela me amou na espera de que até o próximo ano bissexto ela pudesse me salvar. De cética se tornou uma crente nas brumas dos mistérios antagônicos ao palpável. Quem ataca o sonho alheio ataca a alma no que tem de melhor, pois mediante a aflição são os sonhos, alimento de uma esperança que faz o coração bater.

 

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7

Gerson Machado De Avillez
Armadilha dos Sonhos

Minha amável musa acadêmica recostou-se no travesseiro e numa centelha de pensamentos questionou tudo aquilo, mas ela tinha certeza de que sonharia comigo de modo que assim ela disse.

— Vou dormir para tentar te encontrar em sonhos.

Tão logo um sono leve levou sua consciência para além do mundo desperto e lá me encontrou, sorri para ela e em sonhos ela me amou na espera de que até o próximo ano bissexto ela pudesse me salvar. De cética se tornou uma crente nas brumas dos mistérios antagônicos ao palpável. Quem ataca o sonho alheio ataca a alma no que tem de melhor, pois mediante a aflição são os sonhos, alimento de uma esperança que faz o coração bater.

 

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7