Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Gerson Machado De Avillez
Vendedor de ideias e traficante de placebos. Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).
E-mail: gersonavillez46@hotmail.com
Site: gersonavillez.jimdo.com





Echochronos – Parte 1

Ao pegar no sono, Helder viu-se como na aldeia onde foi criado sob a proteção do Vaticano onde alguns supostos inimigos remanescentes o perseguia por motivos que o jovem Helder não entendia mesmo sendo pelos escritos e conhecimentos, até ser destruída numa invasão por supostos descendentes dos Hashishin. Mas aquela vila parecia estar diferente no seu sonho, onde indiferente as leis a gravidade se inverteu o fazendo andar pelo teto de palha sob um vento estranho que parecia soprar de dentro pra fora. Gelado viu Helder a menina com quem sempre ficava correr para trás e as águas que jorravam de uma pequena fonte recuarem até sua bica sumindo para dentro do solo. Helder então tentou correr em direção a jovem garotinha com apenas uns 10 anos, mas quanto mais se esforçava em suas pernas mais parecia andar para trás sentindo-se preso quando acordou subitamente com a porta batendo.

Celestino parecia nervoso refletindo isto na porta sob seu punho cerrado em constantes batidas quando Helder abriu a porta ainda tentando entender o que ocorria no dia seguinte.

– O Papa Honório III deseja lhe ver neste momento! – falou ele nervosamente o deixando alarmado.

Quase trocando os pés embebedado pelo sono ainda presente em seu corpo, sem tempo para assustar a preguiça física que permeava seus músculos relaxados, Helder quase correndo vestiu a batina saindo aos tropeços do quarto.

Os passos dos dois pelos longos e altos corredores ecoavam pelos cômodos apenas barrados pelos guardas parados como estátuas por todo lugar. No fim deste uma grande porta marrom parecia guardada por mais dois guardas que os reconhecendo abriu as portas revelando um enorme saguão onde pedras formavam um brilhante chão enquanto dois altos do Vaticano pareciam levar algo para o Papa Honório III que de costas estava lendo algo.

Os dois pararam diante dele, e se curvaram aguardando virar-se e olhar para ambos.

– Irmãos Celestino e Helder. Que a Graça estejam convosco. Sabemos que seus trabalhos inestimáveis para nós, mesmo sob acusações de opositores, de sermos professores da heresia, mas creio termos algo sem precedentes aqui. – o senhor fez uma pausa olhando para uma carta e prosseguiu – Por mais estranha que seja a proposta, recebemos notícia de Portugal de um ocorrido similar ao nosso irmão jazido sob estranha possível possessão.

– Outro caso? – retrucou Helder

– Mas não fatal. Este tem sido mantido em sigilo para não fazer o povoado local entrar em pânico, mas aparentemente uma menina de cinco anos cresceu súbitos 10 anos em poucas horas.

– Fraude! – falou Celestino.

– Infelizmente não – interrompeu um dos homens do Papa – segundo os pais a menina mantém exatamente as mesmas marcas de nascença além de saber detalhes íntimos deles. O problema, é que não somente ela, mas fenômenos estranhos ocorrem ao seu redor, como plantas crescerem mais rápidas que outras, materiais orgânicos ou não envelhecerem e apodrecerem mais rápido e sob surtos falar coisas que ocorrem minutos a seguir.

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7

Gerson Machado De Avillez
Echochronos – Parte 1

Ao pegar no sono, Helder viu-se como na aldeia onde foi criado sob a proteção do Vaticano onde alguns supostos inimigos remanescentes o perseguia por motivos que o jovem Helder não entendia mesmo sendo pelos escritos e conhecimentos, até ser destruída numa invasão por supostos descendentes dos Hashishin. Mas aquela vila parecia estar diferente no seu sonho, onde indiferente as leis a gravidade se inverteu o fazendo andar pelo teto de palha sob um vento estranho que parecia soprar de dentro pra fora. Gelado viu Helder a menina com quem sempre ficava correr para trás e as águas que jorravam de uma pequena fonte recuarem até sua bica sumindo para dentro do solo. Helder então tentou correr em direção a jovem garotinha com apenas uns 10 anos, mas quanto mais se esforçava em suas pernas mais parecia andar para trás sentindo-se preso quando acordou subitamente com a porta batendo.

Celestino parecia nervoso refletindo isto na porta sob seu punho cerrado em constantes batidas quando Helder abriu a porta ainda tentando entender o que ocorria no dia seguinte.

– O Papa Honório III deseja lhe ver neste momento! – falou ele nervosamente o deixando alarmado.

Quase trocando os pés embebedado pelo sono ainda presente em seu corpo, sem tempo para assustar a preguiça física que permeava seus músculos relaxados, Helder quase correndo vestiu a batina saindo aos tropeços do quarto.

Os passos dos dois pelos longos e altos corredores ecoavam pelos cômodos apenas barrados pelos guardas parados como estátuas por todo lugar. No fim deste uma grande porta marrom parecia guardada por mais dois guardas que os reconhecendo abriu as portas revelando um enorme saguão onde pedras formavam um brilhante chão enquanto dois altos do Vaticano pareciam levar algo para o Papa Honório III que de costas estava lendo algo.

Os dois pararam diante dele, e se curvaram aguardando virar-se e olhar para ambos.

– Irmãos Celestino e Helder. Que a Graça estejam convosco. Sabemos que seus trabalhos inestimáveis para nós, mesmo sob acusações de opositores, de sermos professores da heresia, mas creio termos algo sem precedentes aqui. – o senhor fez uma pausa olhando para uma carta e prosseguiu – Por mais estranha que seja a proposta, recebemos notícia de Portugal de um ocorrido similar ao nosso irmão jazido sob estranha possível possessão.

– Outro caso? – retrucou Helder

– Mas não fatal. Este tem sido mantido em sigilo para não fazer o povoado local entrar em pânico, mas aparentemente uma menina de cinco anos cresceu súbitos 10 anos em poucas horas.

– Fraude! – falou Celestino.

– Infelizmente não – interrompeu um dos homens do Papa – segundo os pais a menina mantém exatamente as mesmas marcas de nascença além de saber detalhes íntimos deles. O problema, é que não somente ela, mas fenômenos estranhos ocorrem ao seu redor, como plantas crescerem mais rápidas que outras, materiais orgânicos ou não envelhecerem e apodrecerem mais rápido e sob surtos falar coisas que ocorrem minutos a seguir.

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7