O Sonho Secreto - Gerson Machado De Avillez
Gerson Machado De Avillez
Fotógrafo, autor nas horas vagas, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da Síndrome de Aspeger com superdotação (Qi 163), trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), UBE (União Brasileira de Escritores) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, site Maldohorror, Arte do Terror, Mirage, Primeiro Capítulo, Conexão Literatura, Creepypasta Brasil assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tendo os contos 'O Poço' (2017) e 'Inominável do Além' (2018) selecionado como um dos melhores de seus respectivos anos pela revisa Litera Livre. Tem 25 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco).

E-mail: gersonavillez46@hotmail.com
Site: gersonavillez.jimdo.com





O Sonho Secreto

       Há muito se ouvia um rumor distante que como murmúrio repercutiam palavras temerárias de que a silenciosa mansão dos Figueira guardava segredos angustiantes dos pós vida. Os relatos são sempre genéricos em concordar com visões tenebrosas de vultos e ruídos malditos, assim como de terríveis pesadelos que tomavam de sobressalto seus visitantes. Os maldizentes lábios dos incautos que se aventuravam na mansão abandonada dizem se tratar dos ecos da existência do dono da residência que lá fora assassinado há quatro anos, porém, não param por aí. No torpor da letargia onírica os relatos mostram não somente o dono Augusto Figueira desatinar em prantos como clama para que supostamente um crime similar não ocorra novamente. Os padrões perturbadores em todos esses sonhos vão além, mostram um garoto lendo um misterioso livro, pouco antes de ser morto por um psicopata qualquer que sendo boçal acreditava estar cumprindo uma profecia diabólica.

       O livro outrora era conhecido apesar de nunca visto, se tratada do Libro Ad Somnium ou segundo alguns com a alcunha em alemão de Das Buch der Träume que nunca tradução livre significa ‘O Livro dos Sonhos’. Sendo esse livro real ou não, acreditando ele se tratar da chave para desvelar o mistério funesto, parti ao encalço do mesmo afim de que cortasse de vez do véu que encobria de modo profano a verdade.

       Todavia pesquisas na internet não surtiram satisfatório efeito a não ser pistas que indicavam fóruns da deep web conhecido como os esgotos da internet onde toda sorte de males, depravações e crimes eram ocultos da grande maioria. Naturalmente não tinha muito tempo até minha mãe chegar e pegar-me navegando naquela torrente de lama digital.

       Com labor consegui adentrar as vísceras daquele submundo quando um misterioso homem sob o nickname de Anil me abordou quando questionava sobre o livro. Fora a partir dali que as respostas surgidas me levaram ainda mais questionamentos. Segundo Anil o livro era de autoria de um homem chamado Heidi Ofir que afirmava que os sonhos existiam independente do ser humano ou animais, mas por si só tinha vida como se fosse uma dimensão, ou dimensões próprias independente do nosso universo. O relato de Ofir ocorria após suas desventuras num futuro distópico ao adentrar um turbilhão onírico onde teria se perdido nas brumas da incógnita. Aqueles sonhos aparentavam ser mais longos que o tempo do sono por isso, pois aquela dimensão independia do tempo cronológico de nosso universo, possuindo um tempo próprio, um universo o qual somente a combinação de memórias seriam a chave para acessar esses sonhos durante a noite, sonhos em que algumas vezes são compartilhados não somente num dado momento, mas em todos os tempos. Todavia dentre esses sonhos havia um sonho secreto, o qual a porta oculta, nenhuma memória conhecida levaria, pois é o sonho dos mortos num tempo próprio, sejam dos mortos do futuro que ainda nem nasceram ou mortos do passado distante. Como um limbo embebido na letargia, almas vagavam num único tempo, independente do tempo em que vieram.

Páginas: 1 2 3 4 5

Gerson Machado De Avillez
O Sonho Secreto

       Há muito se ouvia um rumor distante que como murmúrio repercutiam palavras temerárias de que a silenciosa mansão dos Figueira guardava segredos angustiantes dos pós vida. Os relatos são sempre genéricos em concordar com visões tenebrosas de vultos e ruídos malditos, assim como de terríveis pesadelos que tomavam de sobressalto seus visitantes. Os maldizentes lábios dos incautos que se aventuravam na mansão abandonada dizem se tratar dos ecos da existência do dono da residência que lá fora assassinado há quatro anos, porém, não param por aí. No torpor da letargia onírica os relatos mostram não somente o dono Augusto Figueira desatinar em prantos como clama para que supostamente um crime similar não ocorra novamente. Os padrões perturbadores em todos esses sonhos vão além, mostram um garoto lendo um misterioso livro, pouco antes de ser morto por um psicopata qualquer que sendo boçal acreditava estar cumprindo uma profecia diabólica.

       O livro outrora era conhecido apesar de nunca visto, se tratada do Libro Ad Somnium ou segundo alguns com a alcunha em alemão de Das Buch der Träume que nunca tradução livre significa ‘O Livro dos Sonhos’. Sendo esse livro real ou não, acreditando ele se tratar da chave para desvelar o mistério funesto, parti ao encalço do mesmo afim de que cortasse de vez do véu que encobria de modo profano a verdade.

       Todavia pesquisas na internet não surtiram satisfatório efeito a não ser pistas que indicavam fóruns da deep web conhecido como os esgotos da internet onde toda sorte de males, depravações e crimes eram ocultos da grande maioria. Naturalmente não tinha muito tempo até minha mãe chegar e pegar-me navegando naquela torrente de lama digital.

       Com labor consegui adentrar as vísceras daquele submundo quando um misterioso homem sob o nickname de Anil me abordou quando questionava sobre o livro. Fora a partir dali que as respostas surgidas me levaram ainda mais questionamentos. Segundo Anil o livro era de autoria de um homem chamado Heidi Ofir que afirmava que os sonhos existiam independente do ser humano ou animais, mas por si só tinha vida como se fosse uma dimensão, ou dimensões próprias independente do nosso universo. O relato de Ofir ocorria após suas desventuras num futuro distópico ao adentrar um turbilhão onírico onde teria se perdido nas brumas da incógnita. Aqueles sonhos aparentavam ser mais longos que o tempo do sono por isso, pois aquela dimensão independia do tempo cronológico de nosso universo, possuindo um tempo próprio, um universo o qual somente a combinação de memórias seriam a chave para acessar esses sonhos durante a noite, sonhos em que algumas vezes são compartilhados não somente num dado momento, mas em todos os tempos. Todavia dentre esses sonhos havia um sonho secreto, o qual a porta oculta, nenhuma memória conhecida levaria, pois é o sonho dos mortos num tempo próprio, sejam dos mortos do futuro que ainda nem nasceram ou mortos do passado distante. Como um limbo embebido na letargia, almas vagavam num único tempo, independente do tempo em que vieram.

Páginas: 1 2 3 4 5