Os Esquecidos - Gerson Machado De Avillez
Gerson Machado De Avillez
Fotógrafo, autor nas horas vagas, teólogo, filósofo e pedagogo por formação. Portador da Síndrome de Aspeger com superdotação (Qi 163), trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, com fotos publicadas em jornais cariocas. Posteriormente trabalhou na Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica), UBE (União Brasileira de Escritores) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), escreveu artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, site Maldohorror, Arte do Terror, Mirage, Primeiro Capítulo, Conexão Literatura, Creepypasta Brasil assim como autor da semana com artigos de destaque na Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tendo os contos 'O Poço' (2017) e 'Inominável do Além' (2018) selecionado como um dos melhores de seus respectivos anos pela revisa Litera Livre. Tem 25 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Ed. Multifoco).

E-mail: gersonavillez46@hotmail.com
Site: gersonavillez.jimdo.com





Os Esquecidos

“Os que não se lembram do passado, estão fadados a revivê-lo”

Santayna

 

22 de novembro de 1963, Dallas, Texas

O dia parecia um como outro qualquer, mas sem saber o cargo mais elevado dos Estados Unidos estava em risco. Mas por uma sutileza e súbita intempérie o vento oscilou provocando uma nuance na direção da bala desferida de um ataque premeditado, aquilo fora o suficiente para que o desvio de poucos milímetros alterasse a trajetória do projetil numa curva que raspou na orelha de John F.Kennedy. Todos aplaudiram o desfecho do incidente o qual o então presidente dos Estados Unidos da América sobreviveu e agora aludia o acontecimento para fortalecer suas posições nos anos seguintes ao ser reeleito.

Kennedy então aboliu as sociedades secretas do país, desmantelou um complô de indústrias petrolíferas e promoveu uma franca campanha pela transparência enquanto ditaduras pela América latina eram fortalecidas pela influência da CIA em sua luta contra o socialismo e teve toda administração revista. A propaganda capitalista seguia firme com longas missões espaciais e ao forjar alianças internacionais que minavam os esforços do comunismo de ganhar espaço no mundo. Primeiro fora o Vietnã nos anos consecutivos a abolir o comunismo e se tornar democrático, em seguida uma precipitação fragmentou esfaceladamente de modo antecipado a URSS fazendo ruir o recém construído muro de Berlim no começo da década 70.

Num último esforço desesperado da última nação soviética um ataque nuclear fora lançado contra os EUA precipitando uma guerra global sem precedentes ao unir os poucos países comunistas que restavam, como Cuba. O final da década de 70 fora mergulhado nas cinzas da maior potência democrática do mundo.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

“Os que não se lembram do passado, estão fadados a revivê-lo”

Santayna

 

22 de novembro de 1963, Dallas, Texas

O dia parecia um como outro qualquer, mas sem saber o cargo mais elevado dos Estados Unidos estava em risco. Mas por uma sutileza e súbita intempérie o vento oscilou provocando uma nuance na direção da bala desferida de um ataque premeditado, aquilo fora o suficiente para que o desvio de poucos milímetros alterasse a trajetória do projetil numa curva que raspou na orelha de John F.Kennedy. Todos aplaudiram o desfecho do incidente o qual o então presidente dos Estados Unidos da América sobreviveu e agora aludia o acontecimento para fortalecer suas posições nos anos seguintes ao ser reeleito.

Kennedy então aboliu as sociedades secretas do país, desmantelou um complô de indústrias petrolíferas e promoveu uma franca campanha pela transparência enquanto ditaduras pela América latina eram fortalecidas pela influência da CIA em sua luta contra o socialismo e teve toda administração revista. A propaganda capitalista seguia firme com longas missões espaciais e ao forjar alianças internacionais que minavam os esforços do comunismo de ganhar espaço no mundo. Primeiro fora o Vietnã nos anos consecutivos a abolir o comunismo e se tornar democrático, em seguida uma precipitação fragmentou esfaceladamente de modo antecipado a URSS fazendo ruir o recém construído muro de Berlim no começo da década 70.

Num último esforço desesperado da última nação soviética um ataque nuclear fora lançado contra os EUA precipitando uma guerra global sem precedentes ao unir os poucos países comunistas que restavam, como Cuba. O final da década de 70 fora mergulhado nas cinzas da maior potência democrática do mundo.

Páginas: 1 2 3 4 5 6