Os Esquecidos - Gerson Machado De Avillez
Gerson Machado De Avillez
Vendedor de ideias e traficante de placebos. Fotógrafo e homem da prática de letras nas horas vagas, teólogo e pedagogo por formação, filósofo autodidata e por vocação. Descendente direto do Tenente-General Jorge Avillez, portador da Síndrome de Aspeger, trabalhou em eventos culturais nas Lonas Culturais no Rio (2002) onde produziu e fotografou, tendo fotos publicadas em jornais do Rio de Janeiro. Posteriormente trabalhou na Rede Globo como fiscal de figuração pela agência MMCDI especialmente na novela Avenida Brasil (2012). Membro votante do Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro, membro número 1017 do CLFC (Clube de Leitores de Ficção Científica) e da Sal (Sociedade de Artes de São Gonçalo), tendo escrito artigos para a Revista Somnium, teve contos selecionados e publicados na Revista Litera, Primeiro Capítulo e é autor de destaque da Obvious Mag. Finalista de diversos concursos literários, tem 21 livros escritos e dois publicados, 'Adormecidos' (2011 - Ryoki Produções) e 'Síndrome Celestial' (2013 - Editora Multifoco).
E-mail: gersonavillez46@hotmail.com
Site: gersonavillez.jimdo.com





Os Esquecidos

— O capturamos há dois meses quando um destes desgarrado explorava as ruínas da cidade na superfície. O apelidamos carinhosamente de James Huxley. — Disse a anciã abrindo a jaula. — Conseguimos bloquear as ondas cerebrais dele a longa distância para que não entregasse telepaticamente sua localização, porém, não conseguimos entrar na mente dele. Mas onde fracassamos você terá êxito.

— O que vocês querem com isso? — Indagou Munique.

— Queremos usá-lo para perpetrar a verdadeira natureza da realidade o qual o seu povo está.

— Nãoooo. — Murmurou o ser multiplicando a sua própria voz numa série de murmúrios ecoantes dentro da mente deles fazendo Munique tapar os ouvidos.

— Infelizmente não conseguimos bloquear a telepatia a curto alcance. — Disse Anderton — Graças a isto ele quase fugiu duas vezes ao entrar na mente do guarda e controla-lo a soltar ele.

— Como podemos reverter a telepatia dele e adentrar sua mente a usando?

— Vocês têm que igualar a frequência de suas ondas cerebrais, similar ao processo de anulação que a inverte. — Respondeu Munique indo aos computadores e fazendo uma leitura dos sinais de sua mente e continuou. — Uma dose de tranquilizante e som niu mórphico será suficiente para ele abaixar a guarda mental ao aumentarmos a intensidade do sinal em sua frequência.

Um homem injetou o remédio no ser que meneou a cabeça rangendo os dentes. O ser agora transpirava e remexia os olhos fazendo as leituras de seus sinais cerebrais se intensificarem como última tentativa infrutífera dele resistir. Munique aproximou-se e sentiu certo prazer em ver aquele algoz agora vulnerável ante eles, mas repentinamente mesmo amarrado o ser com uma das mãos segurou seu pulso e lhe fintou diretamente nos olhos e disse como num burburinho hesitante.

— Nós moldamos a realidade de dentro para fora, reprogramando mentes e corações para adequar-se a uma nova história. Resistir é inútil a mortais que não resiste a nossa força mental. Quem você pensa que é para reverter isto?

Munique repentinamente sentiu-se tomada por uma força interna que fez emergir toda personalidade de Annabell por um instante provocando um estado de confusão hesitante, mas antes mesmo que Munique respondesse assustada com o súbito ataque o ser soltou seu pulso mergulhando num profundo sono induzido e então o sinal cedeu. Aquele ser redimensionou novas formas de agressão e violência que não se expressavam por meros símbolos e expressões físicas ou verbais, mas no âmago da mente coletiva induzindo um comportamento de massa.

— Na verdade não evoluiu além de nossa espécie, apenas tem novos meios de ser como qualquer tirano humano foi ao longo de nossa história. A resposta do tolo sempre será a agressão para se afirmar, a ofensa para se superiorizar e a ameaça para se impor, pois ele desconhece qualquer outra forma honesta e digna de se auto afirmar. — Respondeu Munique — Mas não abaixe a cabeça caso não esteja errado, não se curve se for para te entortar, seja grato apenas a quem lhe é justo e bom.

Páginas: 1 2 3 4 5 6

— O capturamos há dois meses quando um destes desgarrado explorava as ruínas da cidade na superfície. O apelidamos carinhosamente de James Huxley. — Disse a anciã abrindo a jaula. — Conseguimos bloquear as ondas cerebrais dele a longa distância para que não entregasse telepaticamente sua localização, porém, não conseguimos entrar na mente dele. Mas onde fracassamos você terá êxito.

— O que vocês querem com isso? — Indagou Munique.

— Queremos usá-lo para perpetrar a verdadeira natureza da realidade o qual o seu povo está.

— Nãoooo. — Murmurou o ser multiplicando a sua própria voz numa série de murmúrios ecoantes dentro da mente deles fazendo Munique tapar os ouvidos.

— Infelizmente não conseguimos bloquear a telepatia a curto alcance. — Disse Anderton — Graças a isto ele quase fugiu duas vezes ao entrar na mente do guarda e controla-lo a soltar ele.

— Como podemos reverter a telepatia dele e adentrar sua mente a usando?

— Vocês têm que igualar a frequência de suas ondas cerebrais, similar ao processo de anulação que a inverte. — Respondeu Munique indo aos computadores e fazendo uma leitura dos sinais de sua mente e continuou. — Uma dose de tranquilizante e som niu mórphico será suficiente para ele abaixar a guarda mental ao aumentarmos a intensidade do sinal em sua frequência.

Um homem injetou o remédio no ser que meneou a cabeça rangendo os dentes. O ser agora transpirava e remexia os olhos fazendo as leituras de seus sinais cerebrais se intensificarem como última tentativa infrutífera dele resistir. Munique aproximou-se e sentiu certo prazer em ver aquele algoz agora vulnerável ante eles, mas repentinamente mesmo amarrado o ser com uma das mãos segurou seu pulso e lhe fintou diretamente nos olhos e disse como num burburinho hesitante.

— Nós moldamos a realidade de dentro para fora, reprogramando mentes e corações para adequar-se a uma nova história. Resistir é inútil a mortais que não resiste a nossa força mental. Quem você pensa que é para reverter isto?

Munique repentinamente sentiu-se tomada por uma força interna que fez emergir toda personalidade de Annabell por um instante provocando um estado de confusão hesitante, mas antes mesmo que Munique respondesse assustada com o súbito ataque o ser soltou seu pulso mergulhando num profundo sono induzido e então o sinal cedeu. Aquele ser redimensionou novas formas de agressão e violência que não se expressavam por meros símbolos e expressões físicas ou verbais, mas no âmago da mente coletiva induzindo um comportamento de massa.

— Na verdade não evoluiu além de nossa espécie, apenas tem novos meios de ser como qualquer tirano humano foi ao longo de nossa história. A resposta do tolo sempre será a agressão para se afirmar, a ofensa para se superiorizar e a ameaça para se impor, pois ele desconhece qualquer outra forma honesta e digna de se auto afirmar. — Respondeu Munique — Mas não abaixe a cabeça caso não esteja errado, não se curve se for para te entortar, seja grato apenas a quem lhe é justo e bom.

Páginas: 1 2 3 4 5 6