Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Golden Barbie
Louca, maluca, insana e perturbada. Sem nenhum pingo de lucidez.
Um labirinto sem fim...
Um enigma onde muitos insistem em querer desvendar...
Vivendo a complexidade dos meus dias onde, embriago-me para viver e sobreviver em guerra constante entre a realidade e a fantasia.
Devorando os lobos que surgem em minha caminhada.
Mantendo-me sempre uma alfa.
Escrevo para aliviar os agonizantes gritos das vozes que moram em minha cabeça, o universo e suas frustrações "cagadas" me inspiram a rabiscar folhas e mais folhas de papel.
Mantenha-se longe! "Ou arrancarei suas tripas e as cozinharei". 





Mórbido silêncio

Eles me observam fixamente, me sinto violada.
É como um estupro coletivo de olhares…
Eles me comem…
Lambem meu rosto sobre os olhos de seus anjos caídos.
A violência que me assola, tortura lentamente meus pensamentos inquietantes.
Gargalhadas das vozes em minha mente lambuzam de sêmen meus putrificados neurônios.
Meus olhos entornam
O bode de chifres grita…!
“Sórdida garota você deseja por isso”.
Já não sei mais o que é real ou fantasia.
Eles me tocaram…?
Eu me toquei…?
Assombram meus sonhos todas as noites…
Eles estão vindo…
Não quero dormir.
Porém, não consigo acordar.
Cubro-me com sangue o meu corpo nu.
Cada célula do meu corpo obedece ao comando dele.
Naquele mórbido silêncio…
Em meu habitar congelante , ele
Me possuí …
Uma, duas, três… inúmeras vezes…
Sinto que sou dele.
Em seus braços me entrego
Rolamos sobre os corpos de minhas vítimas…
Cabeças decepadas a machadadas assistem ao nosso circo de horror.

 

Golden Barbie
Mórbido silêncio

Eles me observam fixamente, me sinto violada.
É como um estupro coletivo de olhares…
Eles me comem…
Lambem meu rosto sobre os olhos de seus anjos caídos.
A violência que me assola, tortura lentamente meus pensamentos inquietantes.
Gargalhadas das vozes em minha mente lambuzam de sêmen meus putrificados neurônios.
Meus olhos entornam
O bode de chifres grita…!
“Sórdida garota você deseja por isso”.
Já não sei mais o que é real ou fantasia.
Eles me tocaram…?
Eu me toquei…?
Assombram meus sonhos todas as noites…
Eles estão vindo…
Não quero dormir.
Porém, não consigo acordar.
Cubro-me com sangue o meu corpo nu.
Cada célula do meu corpo obedece ao comando dele.
Naquele mórbido silêncio…
Em meu habitar congelante , ele
Me possuí …
Uma, duas, três… inúmeras vezes…
Sinto que sou dele.
Em seus braços me entrego
Rolamos sobre os corpos de minhas vítimas…
Cabeças decepadas a machadadas assistem ao nosso circo de horror.