A coroa - Gustavo Lopes
Gustavo Lopes
Nascido em 89, em Suzano - SP, trabalho, estudo, vivo e me divido entre centenas de coisas, mas minha verdadeira paixão é a escrita. Tenho um blog de estimação onde escrevo sobre música e meus projetos inacabados. Leio quando posso e escrevo o quanto possível, sobre realidades distorcidas e talvez horrendas, que nem sempre têm um final feliz, mas que devem ser contadas. Meu primeiro livro, O Inominável, foi publicado em 2017 e está disponível gratuitamente nas plataformas Wattpad e Luvbook.
Site: gustavolopes.net.br
Facebook: facebook.com/blogdogusta





A coroa

– Eu sempre amarei minha irmã, mas ela era estúpida. De qualquer forma, chegou a hora.

Dois anos antes, uma parte do quebra-cabeça já estava na mesa de Julia, que não deu muita atenção ao caso. Para ela, eram desaparecimentos comuns. O padre Renkse a procurou alertando sobre o crescimento de uma nova religião, “A coroa”, mas, para Julia, era “só um bando de malucos”. Até o desaparecimento de sua irmã, Katja.

Julia não estava preparada para a Coroa, mas a Coroa estava preparada para dar-lhe uma amostra do que era o verdadeiro desespero. Numa declaração pública por pressão de entidades ligadas ao governo, Julia zombou da suposta ligação entre os desaparecimentos de mulheres em várias cidades do estado com a religião a Coroa, a qual intitulou; “uma seita de desocupados”, para então descobrir que sua irmã estava envolvida.

Durante a investigação do desaparecimento de Katja, Julia encontrou um homem envolvido com a seita, que coincidentemente foi visto com sua irmã uma semana antes de seu desaparecimento. A fúria de Julia a motivou a conduzir um interrogatório por conta própria, que acabou fora dos autos da investigação oficial. A tortura, que quase acabou com a vida do homem, foi de alguma valia, mas era tarde demais, e pouco demais.

– Equipe Alfa, perímetro seguro.

– Equipe Omega, perímetro seguro.

– Vamos invadir.

Os membros da Coroa juravam fidelidade perante o medo e o desespero, as duas fontes de poder do alto escalão. Como prova de sua força, o corpo de Katja foi exposto no centro da cidade, sem que ninguém tenha presenciado a preparação da escultura viva moldada em uma árvore de uma praça a poucos metros da casa de Julia. A parte superior do corpo de Katja estava incrustada no centro do tronco da árvore. De dentro de seus olhos saiam raízes que formavam uma espécie de coroa ao redor de sua cabeça e no lugar de seus membros, galhos e vinhas a prendiam ao redor da árvore. Seus braços e pernas, bem como a parte inferior de seu corpo, estavam jogados no chão, espalhados num ato profano aos olhos do padre Renkse, que acompanhou Julia de perto a partir deste dia.

Os atos de Julia que seguiram a morte de sua irmã deixaram cicatrizes profundas na mente de ambos. Atitudes que ela jamais imaginou que tomaria para obter uma resposta das dezenas de integrantes da Coroa que torturou, porém finalmente encontrou o que precisava. Com autorização do alto escalão do governo, Julia reuniu seus melhores homens e mulheres para derrubar a Coroa até chegar ao seu núcleo.

Páginas: 1 2 3 4

Gustavo Lopes
A coroa

– Eu sempre amarei minha irmã, mas ela era estúpida. De qualquer forma, chegou a hora.

Dois anos antes, uma parte do quebra-cabeça já estava na mesa de Julia, que não deu muita atenção ao caso. Para ela, eram desaparecimentos comuns. O padre Renkse a procurou alertando sobre o crescimento de uma nova religião, “A coroa”, mas, para Julia, era “só um bando de malucos”. Até o desaparecimento de sua irmã, Katja.

Julia não estava preparada para a Coroa, mas a Coroa estava preparada para dar-lhe uma amostra do que era o verdadeiro desespero. Numa declaração pública por pressão de entidades ligadas ao governo, Julia zombou da suposta ligação entre os desaparecimentos de mulheres em várias cidades do estado com a religião a Coroa, a qual intitulou; “uma seita de desocupados”, para então descobrir que sua irmã estava envolvida.

Durante a investigação do desaparecimento de Katja, Julia encontrou um homem envolvido com a seita, que coincidentemente foi visto com sua irmã uma semana antes de seu desaparecimento. A fúria de Julia a motivou a conduzir um interrogatório por conta própria, que acabou fora dos autos da investigação oficial. A tortura, que quase acabou com a vida do homem, foi de alguma valia, mas era tarde demais, e pouco demais.

– Equipe Alfa, perímetro seguro.

– Equipe Omega, perímetro seguro.

– Vamos invadir.

Os membros da Coroa juravam fidelidade perante o medo e o desespero, as duas fontes de poder do alto escalão. Como prova de sua força, o corpo de Katja foi exposto no centro da cidade, sem que ninguém tenha presenciado a preparação da escultura viva moldada em uma árvore de uma praça a poucos metros da casa de Julia. A parte superior do corpo de Katja estava incrustada no centro do tronco da árvore. De dentro de seus olhos saiam raízes que formavam uma espécie de coroa ao redor de sua cabeça e no lugar de seus membros, galhos e vinhas a prendiam ao redor da árvore. Seus braços e pernas, bem como a parte inferior de seu corpo, estavam jogados no chão, espalhados num ato profano aos olhos do padre Renkse, que acompanhou Julia de perto a partir deste dia.

Os atos de Julia que seguiram a morte de sua irmã deixaram cicatrizes profundas na mente de ambos. Atitudes que ela jamais imaginou que tomaria para obter uma resposta das dezenas de integrantes da Coroa que torturou, porém finalmente encontrou o que precisava. Com autorização do alto escalão do governo, Julia reuniu seus melhores homens e mulheres para derrubar a Coroa até chegar ao seu núcleo.

Páginas: 1 2 3 4