Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Henrique de Micco
Henrique de Micco nasceu na cidade de São Paulo, no ano de 1992, e descobriu ainda na infância a paixão pela literatura. Atualmente, aguarda o lançamento de seu primeiro romance, previsto para agosto / 2017. O livro, de título “O Último Ceifador: Elo Dimensional”, é o primeiro volume de uma tetralogia fantástica. O autor criou um gosto especial também pela escrita de contos, tendo sido selecionado para compor sua primeira antologia no ano de 2017.





A César o que é de César

Levantou-se, segurando o órgão. Ouviu aplausos e silvos, e um círculo de pessoas empolgadas se fez à sua volta. Ergueu os braços, vitorioso. Ed morria aos poucos, agora em posição fetal; espasmos violentos agitavam seu corpo quase inerte.

“Está tudo bem… eles gostaram do show, porra!”

Sentou-se novamente, depositando o rim ensanguentado sobre o balcão. O atendente o serviu de mais uma dose, tratando-o de forma calorosa.

− Essa, as outras e as próximas serão por conta da casa, chefe!

O copo quase escorregou de sua mão melada, e ele agradeceu com um aceno antes de jogar todo o líquido aquecedor boca adentro.

O jazz voltou a rolar.

As palmas e os silvos continuavam. Até os seguranças do coitado, agora um mero cadáver, entraram na onda.

Marcos sentia que era tudo real, e ao mesmo tempo não era.

Mas, ainda assim, estava tudo bem.      

 

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Henrique de Micco
A César o que é de César

Levantou-se, segurando o órgão. Ouviu aplausos e silvos, e um círculo de pessoas empolgadas se fez à sua volta. Ergueu os braços, vitorioso. Ed morria aos poucos, agora em posição fetal; espasmos violentos agitavam seu corpo quase inerte.

“Está tudo bem… eles gostaram do show, porra!”

Sentou-se novamente, depositando o rim ensanguentado sobre o balcão. O atendente o serviu de mais uma dose, tratando-o de forma calorosa.

− Essa, as outras e as próximas serão por conta da casa, chefe!

O copo quase escorregou de sua mão melada, e ele agradeceu com um aceno antes de jogar todo o líquido aquecedor boca adentro.

O jazz voltou a rolar.

As palmas e os silvos continuavam. Até os seguranças do coitado, agora um mero cadáver, entraram na onda.

Marcos sentia que era tudo real, e ao mesmo tempo não era.

Mas, ainda assim, estava tudo bem.      

 

Páginas: 1 2 3 4 5 6