Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Ante Sede

Uma sexta a tarde
Faz pouco mais de um ano que eu moro com meus pais de novo
Uns 400 dias
Se meu pai trabalhou 10 foi muito
Foi uma visão otimista
Se minha mãe folgou 20 foi muito
Uma visão bem pessimista
Vim de uma família de mulheres trabalhadoras e homens vadios
Tenho minha consciência feminista
Realmente acho que uma mulher sustentar a casa não tem nada demais
Direitos iguais sempre
Justiça sempre!
Mesmo cargo=mesmo salário
O órgão que tens na junção das pernas não deveria mudar seu pagamento no fim de um mês de exploração
Mas uma mulher de 56 anos trabalhar
Limpando casa de aspirantes a burgueses
Enquanto o alpha dorme o dia todo
Bêbado sequencialmente
Não tem como engolir,
Aceitar tal situação.

Me recordei q certa vez escrevi uma carta a uma mulher que trabalhava no centro da capital do sul e vendia jornais
Se eu já acordava cedo
Imagina ela que provavelmente morava na periferia e chega ali perto das 5 da matina
Quase 3 anos e nunca deixei de vê-la naquela esquina
Ou indo eu à labuta
Ou retornando das festas mamado e acompanhado
Sempre ela estava ali.
Dizia na carta que admirava uma mulher batalhadora igual minha mãe
(não descrevi o resto)
Que ela estava certa em trabalhar e se sustentar sem depender de ninguém
Nem conhecia ela, podia ser diferente
Mas era isso que eu via e salientei na carta.

Páginas: 1 2

Hügo Mendigo
Ante Sede

Uma sexta a tarde
Faz pouco mais de um ano que eu moro com meus pais de novo
Uns 400 dias
Se meu pai trabalhou 10 foi muito
Foi uma visão otimista
Se minha mãe folgou 20 foi muito
Uma visão bem pessimista
Vim de uma família de mulheres trabalhadoras e homens vadios
Tenho minha consciência feminista
Realmente acho que uma mulher sustentar a casa não tem nada demais
Direitos iguais sempre
Justiça sempre!
Mesmo cargo=mesmo salário
O órgão que tens na junção das pernas não deveria mudar seu pagamento no fim de um mês de exploração
Mas uma mulher de 56 anos trabalhar
Limpando casa de aspirantes a burgueses
Enquanto o alpha dorme o dia todo
Bêbado sequencialmente
Não tem como engolir,
Aceitar tal situação.

Me recordei q certa vez escrevi uma carta a uma mulher que trabalhava no centro da capital do sul e vendia jornais
Se eu já acordava cedo
Imagina ela que provavelmente morava na periferia e chega ali perto das 5 da matina
Quase 3 anos e nunca deixei de vê-la naquela esquina
Ou indo eu à labuta
Ou retornando das festas mamado e acompanhado
Sempre ela estava ali.
Dizia na carta que admirava uma mulher batalhadora igual minha mãe
(não descrevi o resto)
Que ela estava certa em trabalhar e se sustentar sem depender de ninguém
Nem conhecia ela, podia ser diferente
Mas era isso que eu via e salientei na carta.

Páginas: 1 2