Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Casos raros II

Ela está prestes a trocar de emprego
Mal nas despesas como sempre foi
Achei q podia ajudar minimamente imprimindo alguns currículos p ela dar partida na procura do novo ganha pão
Imprimi e deixei guardado comigo
Se passou uma semana e ela parece q fugia do encontro fatal q faria ela pegar os papéis e inevitavelmente me ver
Passou segunda e nada
Eu puxava papo todo dia
Ela por ocupação ou por gosto deixava eu horas sem resposta
Eu já nem me abalava mais
Quando teve um dia q ela se abriu, me surpreendendo
Disse q está cansada de pessoas do nosso meio d convívio
Pois no fim da história todos se conhecem
E eu já tinha percebido isso a tempos
Uma grande província nunca será nem uma cidade pequena
Ela deu seus motivos p isso
Eu entendi todos mas me senti mal porque ela não percebe minha mudança; me afastando naturalmente disso
Mas óbvio q ela não vivendo isso não perceberia de tão longe

“….mas vai seguir agindo como todos desse meio agem
Eternos adolescentes, bermuda/camiseta, sexo em primeiro lugar, ménage, tatuagem, traição…
Bebida, sexo e som
Drogas”
Eu tentando me defender:
“E tu me vê só como isso também?”
Ela seguiu:
“Isso tudo que todos desse meio gostam fazem e agem
Basicamente
Tu quer casar?
Tu quer construir algo com alguém
Sei lá

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Hügo Mendigo
Casos raros II

Ela está prestes a trocar de emprego
Mal nas despesas como sempre foi
Achei q podia ajudar minimamente imprimindo alguns currículos p ela dar partida na procura do novo ganha pão
Imprimi e deixei guardado comigo
Se passou uma semana e ela parece q fugia do encontro fatal q faria ela pegar os papéis e inevitavelmente me ver
Passou segunda e nada
Eu puxava papo todo dia
Ela por ocupação ou por gosto deixava eu horas sem resposta
Eu já nem me abalava mais
Quando teve um dia q ela se abriu, me surpreendendo
Disse q está cansada de pessoas do nosso meio d convívio
Pois no fim da história todos se conhecem
E eu já tinha percebido isso a tempos
Uma grande província nunca será nem uma cidade pequena
Ela deu seus motivos p isso
Eu entendi todos mas me senti mal porque ela não percebe minha mudança; me afastando naturalmente disso
Mas óbvio q ela não vivendo isso não perceberia de tão longe

“….mas vai seguir agindo como todos desse meio agem
Eternos adolescentes, bermuda/camiseta, sexo em primeiro lugar, ménage, tatuagem, traição…
Bebida, sexo e som
Drogas”
Eu tentando me defender:
“E tu me vê só como isso também?”
Ela seguiu:
“Isso tudo que todos desse meio gostam fazem e agem
Basicamente
Tu quer casar?
Tu quer construir algo com alguém
Sei lá

Páginas: 1 2 3 4 5 6