Era tudo mato - Hugo Mendigo
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Era tudo mato

Quarta-feira
Cheguei cansado do serviço
São dias muito chuvosos
Parece que por algumas horas teremos uma trégua
Chego em casa depois de 14 km de bike com capa de chuva-sem chuva
Lava de suor
Banho
Lavei tudo que podia ser lavado
Me vesti
Fui conversar com minha mãe
Ela estava tomando chimarrão com minha tia nos fundos
Fui lá
Conversei por 10 mins
Acabou o assunto
Voltei pro quarto
Estou com fome
Por estar engordando e por pedalar 14 km
Preciso ir ao mercado
Me vesti e fui
Só tem duas ruas pra ir e voltar do mercado
Fui pela átipica
Deserta como todas ao cair do sol
Fui indo e tomando uma lata de cerveja bem gelada
É uma noite fria e eu ando com o casaco aberto
Toda essa umidade depois de tanta chuva ate me faz bem
Gosto do frio
Gosto dele passando por mim
Me sinto muito mais parte da natureza do que da humanidade com isso
Sinto como se eu fosse uma árvore ambulante
Vagando pelas ruas
Sentindo a natureza em mim
E eu nela

Páginas: 1 2 3 4 5 6

Hügo Mendigo
Era tudo mato

Quarta-feira
Cheguei cansado do serviço
São dias muito chuvosos
Parece que por algumas horas teremos uma trégua
Chego em casa depois de 14 km de bike com capa de chuva-sem chuva
Lava de suor
Banho
Lavei tudo que podia ser lavado
Me vesti
Fui conversar com minha mãe
Ela estava tomando chimarrão com minha tia nos fundos
Fui lá
Conversei por 10 mins
Acabou o assunto
Voltei pro quarto
Estou com fome
Por estar engordando e por pedalar 14 km
Preciso ir ao mercado
Me vesti e fui
Só tem duas ruas pra ir e voltar do mercado
Fui pela átipica
Deserta como todas ao cair do sol
Fui indo e tomando uma lata de cerveja bem gelada
É uma noite fria e eu ando com o casaco aberto
Toda essa umidade depois de tanta chuva ate me faz bem
Gosto do frio
Gosto dele passando por mim
Me sinto muito mais parte da natureza do que da humanidade com isso
Sinto como se eu fosse uma árvore ambulante
Vagando pelas ruas
Sentindo a natureza em mim
E eu nela

Páginas: 1 2 3 4 5 6