Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Fim da tarde no inverno

Ando escrevendo pouco
Ando refletindo muito sobre a essência do meu ser
A insignificância dos meu atos
Falhos ou não
Isso não faz diferença
Tem dias que sinto o brilho dentro de mim apagar
Exatamente como eu sinto o fim da tarde do início do inverno
O sol vai baixando devagar
A temperatura vai caindo
O silêncio vai crescendo
É como se todos os demônios tomassem seus postos
Estivessem prontos pra agir
A espera de uma guarda baixa
Assim que eu sinto
Algo em mim ficando fraco e frio
Como a luz do dia numa tarde de inverno
A noite geralmente pode ser bem mais quente
Mas o fim da tarde me é cruel
Me traz lembranças e remorsos terríveis
De coisas que eu nem precisava me sentir mal
E nem sei por que me sentia
Acho que o nome dessa confusão que eu sentia na cabeça é puberdade
Hormônios e sentimentos conflitantes se batendo dentro de cada corpo
Incerteza e inseguranças
Pela descrição me parece que a menstruação e toda a também deve ser parecida
Mulher é realmente um ser evoluído
Imagina aguentar uma puberdade por mês… haja paciência!
Sempre senti isso no fim das tardes frias

Páginas: 1 2

Hügo Mendigo
Fim da tarde no inverno

Ando escrevendo pouco
Ando refletindo muito sobre a essência do meu ser
A insignificância dos meu atos
Falhos ou não
Isso não faz diferença
Tem dias que sinto o brilho dentro de mim apagar
Exatamente como eu sinto o fim da tarde do início do inverno
O sol vai baixando devagar
A temperatura vai caindo
O silêncio vai crescendo
É como se todos os demônios tomassem seus postos
Estivessem prontos pra agir
A espera de uma guarda baixa
Assim que eu sinto
Algo em mim ficando fraco e frio
Como a luz do dia numa tarde de inverno
A noite geralmente pode ser bem mais quente
Mas o fim da tarde me é cruel
Me traz lembranças e remorsos terríveis
De coisas que eu nem precisava me sentir mal
E nem sei por que me sentia
Acho que o nome dessa confusão que eu sentia na cabeça é puberdade
Hormônios e sentimentos conflitantes se batendo dentro de cada corpo
Incerteza e inseguranças
Pela descrição me parece que a menstruação e toda a também deve ser parecida
Mulher é realmente um ser evoluído
Imagina aguentar uma puberdade por mês… haja paciência!
Sempre senti isso no fim das tardes frias

Páginas: 1 2