O encontro democrático - Hugo Mendigo
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





O encontro democrático

Ela tem o clássico que me encanta: o sorriso nos olhos!
Conheci ela num grande ato no dia em que deram voz de prisão ao maior líder nacional do partido
O ato tinham milhares de pessoas
Mesmo assim, parece que a multidão se abriu e eu vi só ela
Loira, sorridente, usando tênis
Pouco menor que eu, usando jeans
Usando avental
Ela trabalhava numa lancheria
Lembro de sorrir pra ela e ter o sorriso de volta
Jamais imaginei que teria ela reparado em mim e segui a vida
Debates sobre o futuro político do país aconteciam e em alguns minutos eu a revi
Ela veio perguntarao grupo que eu estava se pedimos algo
Natural, pois ela estava trabalhando no momento
Fiquei sem jeito, mas me mantive firme
Como todos debatiam algo, em segundos ficamos eu e ela no assunto
Eu disse que ela tinha um sorriso lindo e damos um abraço
Era delicioso
Quente, aconchegante e nem de longe sensual
Sentia como se ela gostasse de mim de verdade, mesmo sendo apenas um abraço
Ela foi atender outra mesa e eu fiquei
Quando percebi estava com mais um conversando sobre o ato e ela retornou
Desta vez, com menos pressa
Conversamos alguns poucos minutos
Ela tem um carro bem fora de linha, é amiga do dono do bar e apoiadora da nossa causa esquerdista
Tudo certo!
Peguei na mão dela…
-Acho bom trocarmos redes sociais pra não perdemos o contato- disse eu
Ela elogiou minha calejada e grossa mão
-Que mão firme… podemos trocar e conversar sim, mas tem um porém… meu marido cozinha no bar…

Páginas: 1 2 3 4

Hügo Mendigo
O encontro democrático

Ela tem o clássico que me encanta: o sorriso nos olhos!
Conheci ela num grande ato no dia em que deram voz de prisão ao maior líder nacional do partido
O ato tinham milhares de pessoas
Mesmo assim, parece que a multidão se abriu e eu vi só ela
Loira, sorridente, usando tênis
Pouco menor que eu, usando jeans
Usando avental
Ela trabalhava numa lancheria
Lembro de sorrir pra ela e ter o sorriso de volta
Jamais imaginei que teria ela reparado em mim e segui a vida
Debates sobre o futuro político do país aconteciam e em alguns minutos eu a revi
Ela veio perguntarao grupo que eu estava se pedimos algo
Natural, pois ela estava trabalhando no momento
Fiquei sem jeito, mas me mantive firme
Como todos debatiam algo, em segundos ficamos eu e ela no assunto
Eu disse que ela tinha um sorriso lindo e damos um abraço
Era delicioso
Quente, aconchegante e nem de longe sensual
Sentia como se ela gostasse de mim de verdade, mesmo sendo apenas um abraço
Ela foi atender outra mesa e eu fiquei
Quando percebi estava com mais um conversando sobre o ato e ela retornou
Desta vez, com menos pressa
Conversamos alguns poucos minutos
Ela tem um carro bem fora de linha, é amiga do dono do bar e apoiadora da nossa causa esquerdista
Tudo certo!
Peguei na mão dela…
-Acho bom trocarmos redes sociais pra não perdemos o contato- disse eu
Ela elogiou minha calejada e grossa mão
-Que mão firme… podemos trocar e conversar sim, mas tem um porém… meu marido cozinha no bar…

Páginas: 1 2 3 4