Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Peso na consciência sem culpa

Pensei em pegar no outro dia
Nunca mais lembrei
Eu deveria ter uns 5 anos
Fiquei com essa sensação de ter perdido algo legal por anos
Eu deveria ter uns 25 quando meu avô foi fazer alguma obra pelo terreno e achou meu carrinho enterrado e quase fossilizado, soterrado e esquecido por anos
Eu fiquei horas agarrado naquilo
Como se fosse uma pepita de ouro
Aquele pedacinho de lixo me aliviou de algo que eu nem sabia que ainda sentia
Quando eu tinha uns 8 anos
Tive uma dia de aula que por distração tive que copiar algumas frases mais rápidas no meu caderno
A noite minha mãe foi ver meus cadernos e viu minha letra horrorosa
Me chamou atenção por aquilo mas eu ignorei
Algumas hora depois
Ela foi deitar e eu fiquei vendo tv mais alguns minutos
Comecei a pensar na minha péssima caligrafia
Uma tremenda besteira
Eram alguns “p” mal escritos e nada mais que isso
Eu me senti tão mal
Como se tivesse matado um bebê foca a golpes de machado
Eu chorei de soluçar
Apenas pq tinha escrito algo “errado” no meu caderno
Que inferno

Páginas: 1 2 3 4 5

Hügo Mendigo
Peso na consciência sem culpa

Pensei em pegar no outro dia
Nunca mais lembrei
Eu deveria ter uns 5 anos
Fiquei com essa sensação de ter perdido algo legal por anos
Eu deveria ter uns 25 quando meu avô foi fazer alguma obra pelo terreno e achou meu carrinho enterrado e quase fossilizado, soterrado e esquecido por anos
Eu fiquei horas agarrado naquilo
Como se fosse uma pepita de ouro
Aquele pedacinho de lixo me aliviou de algo que eu nem sabia que ainda sentia
Quando eu tinha uns 8 anos
Tive uma dia de aula que por distração tive que copiar algumas frases mais rápidas no meu caderno
A noite minha mãe foi ver meus cadernos e viu minha letra horrorosa
Me chamou atenção por aquilo mas eu ignorei
Algumas hora depois
Ela foi deitar e eu fiquei vendo tv mais alguns minutos
Comecei a pensar na minha péssima caligrafia
Uma tremenda besteira
Eram alguns “p” mal escritos e nada mais que isso
Eu me senti tão mal
Como se tivesse matado um bebê foca a golpes de machado
Eu chorei de soluçar
Apenas pq tinha escrito algo “errado” no meu caderno
Que inferno

Páginas: 1 2 3 4 5