Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Reencontro

Revi ela
Depois de uns 45 dias de silêncio voltamos a nos falar
Poucas horas de conversa e marcamos um bar p se ver
Nos cumprimentamos ao longe com um sorriso no olhar
Um abraço forte
Sentamos e bebemos
Conversamos sobre esses dias sem notícias
Ela se mudou, de casa e de condições
Está melhor sem eu por perto
Eu disse q fiquei mais em casa q na rua
Tentei ocupar meu corpo e disfarçar minha depressão com exaustão física
Comentamos algumas atualidades banais e já estávamos na 3 cerveja
Ambos tínhamos bebido na noite anterior
A bebida de agora era só p nivelar o nível
Eu fui ao banheiro pela segunda vez
Mijei
Respirei fundo
E voltei
Sentei ao lado dela, pois antes estava na frente dela
Passei a mão na coxa dela
Fui devagar pois fazia tempo e jamais queria ser eu evasivo ao retorno
Que pele!
Firme e tenra como só ela consegue ter
Macia como nem conseguia lembrar
Ela não tirou minha mão dali
Se virou p mim e passou o mão na minha nuca e me puxou p perto dela
Nos beijamos

Páginas: 1 2 3 4 5

Hügo Mendigo
Reencontro

Revi ela
Depois de uns 45 dias de silêncio voltamos a nos falar
Poucas horas de conversa e marcamos um bar p se ver
Nos cumprimentamos ao longe com um sorriso no olhar
Um abraço forte
Sentamos e bebemos
Conversamos sobre esses dias sem notícias
Ela se mudou, de casa e de condições
Está melhor sem eu por perto
Eu disse q fiquei mais em casa q na rua
Tentei ocupar meu corpo e disfarçar minha depressão com exaustão física
Comentamos algumas atualidades banais e já estávamos na 3 cerveja
Ambos tínhamos bebido na noite anterior
A bebida de agora era só p nivelar o nível
Eu fui ao banheiro pela segunda vez
Mijei
Respirei fundo
E voltei
Sentei ao lado dela, pois antes estava na frente dela
Passei a mão na coxa dela
Fui devagar pois fazia tempo e jamais queria ser eu evasivo ao retorno
Que pele!
Firme e tenra como só ela consegue ter
Macia como nem conseguia lembrar
Ela não tirou minha mão dali
Se virou p mim e passou o mão na minha nuca e me puxou p perto dela
Nos beijamos

Páginas: 1 2 3 4 5