Sem luz vejo mais - Hugo Mendigo
Hügo Mendigo
Em 1984, ao pseudo fim da ditadura no Brasil, na cidadezinha rural de Gravataí nascia mais um Mendigo, o Hügo. Parece um clichê dizer "escrever para não enlouquecer" mas foi sim sua psicóloga que recomendou os registros turvos de sua vida. Visões urbanas e alcoolizadas, mulheres e teorias da conspiração povoam esses manuscritos virtuais, sempre assinados como Nadal Goulart. Metalúrgico, pai e um monte de outras coisas que não precisam ser ditas por que ninguem perguntou.





Sem luz vejo mais

Fiquei o dia em casa sozinho

Deixei todas as luzes apagadas

A única luz ligada é o led de espera da TV, e agora, o celular

Os raios da forte chuva clareiam a rua por uns instantes

A chuva escorrer forte pelo telhado velho

A casa que meu avô construiu ao longo de uns 20 anos

Conforme teve tempo e dinheiro

A casa está podre por dentro e por fora

Madeira velha e cheia de cupim

E o telhado tem bem menos goteiras que eu pensei que tivesse

Tudo me é nostálgico nessa casa

Desde os estalos do assoalho na madrugada até as manchas na tinta por fora da casa

Os móveis não são tão velhos, mas também tem alguma idade

Estranho que depois de tanto tempo só agora eu percebi o quanto podia ser melhorada

E não sairá tão difícil quanto parecia

Mas vamos lá

Tenho que acender as luzes e fechar as janelas antes que entre a chuva que parece que não vai acabar nunca

Mas eu sei que vai

E logo

E “plim”

Tudo vai ficar mais claro

Hügo Mendigo
Sem luz vejo mais

Fiquei o dia em casa sozinho

Deixei todas as luzes apagadas

A única luz ligada é o led de espera da TV, e agora, o celular

Os raios da forte chuva clareiam a rua por uns instantes

A chuva escorrer forte pelo telhado velho

A casa que meu avô construiu ao longo de uns 20 anos

Conforme teve tempo e dinheiro

A casa está podre por dentro e por fora

Madeira velha e cheia de cupim

E o telhado tem bem menos goteiras que eu pensei que tivesse

Tudo me é nostálgico nessa casa

Desde os estalos do assoalho na madrugada até as manchas na tinta por fora da casa

Os móveis não são tão velhos, mas também tem alguma idade

Estranho que depois de tanto tempo só agora eu percebi o quanto podia ser melhorada

E não sairá tão difícil quanto parecia

Mas vamos lá

Tenho que acender as luzes e fechar as janelas antes que entre a chuva que parece que não vai acabar nunca

Mas eu sei que vai

E logo

E “plim”

Tudo vai ficar mais claro