Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Jorge Machado
Escritor desde os doze anos de idade (quando conheci a literatura e adotei o pseudônimo temporário de "Jorge Mamado"). Fui apresentado ao horror tarde, nas estantes da biblioteca pública do ensino médio. Desde então sigo na busca do funesto e do reprovável como forma de resistência à apatia e ao conformismo dessa geração.
Brinquei de punk durante a adolescência tardia e troquei a água pela cerveja. Depois pela pinga. Depois voltei aos livros. Viciado em gás lacrimogêneo e spray de pimenta, sonho em explodir o Ancapistão usando um artefato com a grafia "Propriedade é roubo" na fuselagem.





Identidade – Parte 01

Rapaz “tranquilão” era como costumava chama-lo em meus pensamentos. Era o tipo de rapaz que minha mãe chamaria de bom partido – não que minha mãe tivesse um bom dedo para homens. A questão é que Henry, naquele dia em que resolveu sentar a meu lado no bandejão – o refeitório principal da universidade –, era um rapaz que mantinha o estado de espírito em condição rigorosamente oposta ao meu. Enquanto me descabelava em pensamentos sobre como faria a prova de Fisiologia Humana I ainda naquela noite, ele puxava assunto comigo e falava sobre uma coisa engraçada que lhe acontecera na academia durante a manhã. Era insano, era irresponsável, era temerário, e me fez entender que queria passar o resto da tarde ao lado dele. Mais tarde fizemos a prova de Fisiologia e demos boas gargalhadas discutindo o quanto havíamos nos ferrado. Decidimos jantar em um restaurante japonês para “comemorar”. Folhas de Sakura caíam pelo pátio do estacionamento rodopiando no ar como se estivessem vivas, as preocupações com a prova do dia seguinte haviam se tornado menos importantes que cada uma daquelas pétalas cor de rosa que pavimentavam o caminho de pedras da fachada do restaurante.

O vento morno da primavera de 1994 arrastou uma velha Sofia para longe, ela nunca mais foi vista, nem seus hábitos antigos, nem sua aparentemente incorrigível obsessão com o rigor acadêmico. Eu assumia então uma espécie de nova identidade como se estivesse vivendo outra vida, como uma requerente do programa de proteção a testemunhas. Um passado inteiro morria diante de meus olhos. Eu já havia passado por algo semelhante durante crises na adolescência, porém nada como o que ocorria naquela primavera.

 

Páginas: 1 2 3 4

Jorge Machado
Identidade – Parte 01

Rapaz “tranquilão” era como costumava chama-lo em meus pensamentos. Era o tipo de rapaz que minha mãe chamaria de bom partido – não que minha mãe tivesse um bom dedo para homens. A questão é que Henry, naquele dia em que resolveu sentar a meu lado no bandejão – o refeitório principal da universidade –, era um rapaz que mantinha o estado de espírito em condição rigorosamente oposta ao meu. Enquanto me descabelava em pensamentos sobre como faria a prova de Fisiologia Humana I ainda naquela noite, ele puxava assunto comigo e falava sobre uma coisa engraçada que lhe acontecera na academia durante a manhã. Era insano, era irresponsável, era temerário, e me fez entender que queria passar o resto da tarde ao lado dele. Mais tarde fizemos a prova de Fisiologia e demos boas gargalhadas discutindo o quanto havíamos nos ferrado. Decidimos jantar em um restaurante japonês para “comemorar”. Folhas de Sakura caíam pelo pátio do estacionamento rodopiando no ar como se estivessem vivas, as preocupações com a prova do dia seguinte haviam se tornado menos importantes que cada uma daquelas pétalas cor de rosa que pavimentavam o caminho de pedras da fachada do restaurante.

O vento morno da primavera de 1994 arrastou uma velha Sofia para longe, ela nunca mais foi vista, nem seus hábitos antigos, nem sua aparentemente incorrigível obsessão com o rigor acadêmico. Eu assumia então uma espécie de nova identidade como se estivesse vivendo outra vida, como uma requerente do programa de proteção a testemunhas. Um passado inteiro morria diante de meus olhos. Eu já havia passado por algo semelhante durante crises na adolescência, porém nada como o que ocorria naquela primavera.

 

Páginas: 1 2 3 4