Amprodias - Luciano Pires
Luciano Pires
Nascido em Osasco, em 14 de abril de 1978.
Formado em Letras e músico nos bares mais vagabundos da cidade.
Quase terminando um romance passado na cidade de Osasco, onde um pombo é o narrador principal, com cenas na estação de trem e no antigo Arena Metal.
Uma mente em fúria.
Profundos e minúsculos terremotos de dor, caos e sonhos perfurados.
Nuvens carregadas em pílulas, engasgadas na garganta de Deus.
Ópio e pálpebras acesas.
E-mail: lucianovpires13@yahoo.com.br
Facebook: facebook.com/lucianovpires
Blog: prozacfiles.blogspot.com.br/






Amprodias

Dois segundos.

Caio no chão, desmaiado.

Aos poucos meu corpo dança, cada vez mais entusiasmado e febril, a coreografia sem sentido se intensifica, respiro profundamente.

O espelho no canto do quarto não reflete nada do que vejo, uma luz violeta intensa, grave, projetando ondas sonoras atormentadoras.

Abrahadabra, Thelema, Ipsos-Lam. Aumgn.

Abrahadabra, Thelema, Ipsos-Lam. Aumgn.

Mergulho no espelho liquefeito. O som é de um lago profundo. Violeta. Raro. Morto.

A arte é poderosa, meu caro; ela é um espelho, alguns têm medo de ver a própria degeneração e gritam, espantadas, mandando matar a própria imagem.

Dois segundos, nenhum som, nenhum respiro, nenhuma luz, nada.

O nada.

Um segundo.

O nada.

 

Páginas: 1 2

Luciano Pires
Amprodias

Dois segundos.

Caio no chão, desmaiado.

Aos poucos meu corpo dança, cada vez mais entusiasmado e febril, a coreografia sem sentido se intensifica, respiro profundamente.

O espelho no canto do quarto não reflete nada do que vejo, uma luz violeta intensa, grave, projetando ondas sonoras atormentadoras.

Abrahadabra, Thelema, Ipsos-Lam. Aumgn.

Abrahadabra, Thelema, Ipsos-Lam. Aumgn.

Mergulho no espelho liquefeito. O som é de um lago profundo. Violeta. Raro. Morto.

A arte é poderosa, meu caro; ela é um espelho, alguns têm medo de ver a própria degeneração e gritam, espantadas, mandando matar a própria imagem.

Dois segundos, nenhum som, nenhum respiro, nenhuma luz, nada.

O nada.

Um segundo.

O nada.

 

Páginas: 1 2