Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Maldohorror
Um coletivo existe para fazer experiência. E é isso que você verá aqui.
Eu sou Maldohorror.
Eu tenho muitas faces...
Eu tenho muitos estilos...




Não espere finais felizes.






Maldohorror: especial 2 anos

      — Shemhazau, Senhor dos Nefilins, receba de bom grado esta jovem insolente em nome do nosso laço sanguíneo desde meus antepassados! — exclamou a idosa, à medida que das suas entranhas surgia um bebê acinzentado, com dentes pontiagudos, de cuja barriga tentáculos esverdeados romperam, não hesitando um segundo até se enrolarem nos calcanhares de Laura, que urrou em desespero sua última suplica a Deus.

(D.A. Potens)

_____________

 

      Porém nem Deus poderia salvar Laura do que estava para lhe acontecer. Tal cena horrífica a deixou sem reação por segundos que pareceram uma eternidade. Aquilo não poderia ser real! A criatura pavorosa saída das entranhas da velha ensandecida, provavelmente algo que jamais fora humano, grudou seus tentáculos gélidos em sua pele e dali saiu algo pontiagudo como lâminas, fincando dolorosamente em sua carne. Instintivamente ela tentou se livrar daquilo, sem sucesso. Uma dor lancinante espalhou por todo o seu corpo, como se um veneno estivesse sendo injetado. Francis a segurava com brutalidade e gargalhava de forma rouca e assustadora, enquanto a velha continuava entoando o cântico com cada vez mais fervor, e conforme ficava mais alto, o bebê demônio cinzento emitia um estranho grunhido. A sombra chifruda atrás de Gertrudes se tornava cada vez mais densa, até fica quase palpável… seus olhos cintilavam com um brilho avermelhado saído do mais profundo inferno. Laura foi se sentindo paralisada pela dor e seus membros se amoleceram de tal forma que se sentiu absolutamente impotente.

      Percebendo isso, Francis a soltou bruscamente no chão, e maliciosamente, abriu a braguilha da calça já lambendo os beiços, mas o que estava para se desenrolar era muito pior do que Laura poderia imaginar. A sombra descomunal, alimentada pela energia do sangue derramado da velha devota e pelo medo paralisante da moça, agora estava totalmente materializada, e de forma muito mais nítida, Laura pôde vislumbrar em mais completo pavor o horrendo e enorme falo bifurcado daquela criatura demoníaca. A velha Gertrudes já estava com os olhos brancos em transe, e segurava seu bebê bizarro nos braços, com suas entranhas abertas pingando um líquido viscoso cheirando a merda e enxofre, no qual os vermes se refestelavam, enquanto que Francis aguardava ansiosamente para presenciar o que estava para acontecer e assim ter mais uma cota de prazer naquele dia amaldiçoado, ainda que como mero expectador.

(Tatianie Kiosia)

_____________

 

      Ele meteu a mão dentro das calças e puxou seu cacete. Francis já visualizava tudo que aconteceria, antes mesmo do Shemhazau brincar com a vadia. Ansioso como estava, ele tocou uma punheta violenta. Sim, seu herói foderia ela com aquele pauzão de duas cabeças, socando na buceta e no cu ao mesmo tempo. Era isso que o tarado esperava, mas não foi desse jeito.

      — Vai, cão do inferno, mete nessa vaca suja! Vai! Vai!

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7

Maldohorror
Maldohorror: especial 2 anos

      — Shemhazau, Senhor dos Nefilins, receba de bom grado esta jovem insolente em nome do nosso laço sanguíneo desde meus antepassados! — exclamou a idosa, à medida que das suas entranhas surgia um bebê acinzentado, com dentes pontiagudos, de cuja barriga tentáculos esverdeados romperam, não hesitando um segundo até se enrolarem nos calcanhares de Laura, que urrou em desespero sua última suplica a Deus.

(D.A. Potens)

_____________

 

      Porém nem Deus poderia salvar Laura do que estava para lhe acontecer. Tal cena horrífica a deixou sem reação por segundos que pareceram uma eternidade. Aquilo não poderia ser real! A criatura pavorosa saída das entranhas da velha ensandecida, provavelmente algo que jamais fora humano, grudou seus tentáculos gélidos em sua pele e dali saiu algo pontiagudo como lâminas, fincando dolorosamente em sua carne. Instintivamente ela tentou se livrar daquilo, sem sucesso. Uma dor lancinante espalhou por todo o seu corpo, como se um veneno estivesse sendo injetado. Francis a segurava com brutalidade e gargalhava de forma rouca e assustadora, enquanto a velha continuava entoando o cântico com cada vez mais fervor, e conforme ficava mais alto, o bebê demônio cinzento emitia um estranho grunhido. A sombra chifruda atrás de Gertrudes se tornava cada vez mais densa, até fica quase palpável… seus olhos cintilavam com um brilho avermelhado saído do mais profundo inferno. Laura foi se sentindo paralisada pela dor e seus membros se amoleceram de tal forma que se sentiu absolutamente impotente.

      Percebendo isso, Francis a soltou bruscamente no chão, e maliciosamente, abriu a braguilha da calça já lambendo os beiços, mas o que estava para se desenrolar era muito pior do que Laura poderia imaginar. A sombra descomunal, alimentada pela energia do sangue derramado da velha devota e pelo medo paralisante da moça, agora estava totalmente materializada, e de forma muito mais nítida, Laura pôde vislumbrar em mais completo pavor o horrendo e enorme falo bifurcado daquela criatura demoníaca. A velha Gertrudes já estava com os olhos brancos em transe, e segurava seu bebê bizarro nos braços, com suas entranhas abertas pingando um líquido viscoso cheirando a merda e enxofre, no qual os vermes se refestelavam, enquanto que Francis aguardava ansiosamente para presenciar o que estava para acontecer e assim ter mais uma cota de prazer naquele dia amaldiçoado, ainda que como mero expectador.

(Tatianie Kiosia)

_____________

 

      Ele meteu a mão dentro das calças e puxou seu cacete. Francis já visualizava tudo que aconteceria, antes mesmo do Shemhazau brincar com a vadia. Ansioso como estava, ele tocou uma punheta violenta. Sim, seu herói foderia ela com aquele pauzão de duas cabeças, socando na buceta e no cu ao mesmo tempo. Era isso que o tarado esperava, mas não foi desse jeito.

      — Vai, cão do inferno, mete nessa vaca suja! Vai! Vai!

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7