A fumaça e seu longo sorriso de felicidade - Petter Baiestorf
Petter Baiestorf
Teve um dia em que os espermatozóides festeiros de meu pai partiram em direção ao barzinho óvulo de minha mãe e lá começaram um sambinha esperto do criolo doido e eu ali nasci. Era 1974 e o clima de família tradicional/milico no poder/igreja vomitando regras me fez bem pra cabeça e virei, nada mais lógico, ateu anarquista debochado avesso a qualquer tipo de regras. Lá por 1988, um pouco antes talvez, comecei a escrever contos no caderno da escola. Tentei virar poeta, mas aí descobri os fanzines e comecei a colaborar e, na sequência, editar meus próprios títulos. Foi com fanzines que consegui conciliar minhas paixões por literatura, quadrinhos, música e, a maior de todas, cinema. Em 1992, com meu amigo de escola E.B. Toniolli, fundei a Canibal Filmes e comecei a filmar em VHS amador mesmo. Em 1995 um filme meu chamado "O Monstro Legume do Espaço" apresentou meu grupo pro underground brasileiro e, de lá pra cá, só tô tentando aproveitar o máximo essa festinha que é a vida.




A fumaça e seu longo sorriso de felicidade

A fumaça negra contrastava com o céu azul, se diluindo vagarosamente enquanto seguia seu destino para lugar algum. Abutres rasgavam a fumaça com fúria. Fúria dos famintos a procura de uma carniça para transformar no banquete da semana. Procuravam deslizando no ar, em círculos, sem nada avistar. E na falta de uma suculenta carniça continuavam apenas voando entre meio a fumaça. Fumaça que era expelida de um vulcão em erupção. Aquele vulcão feroz que despejava toneladas de lava fervente formando rios de fogo onde eu e meus amigos vamos surfar. Ondas de até sete metros de altura, lava pronta para carbonizar os surfistas que não sonham. Na caixa de som rolava G.G. Allin fazendo um cover dos Beach Boys. Eu e meus amigos seguíamos surfando pelo fogo, doidos com o cheiro do calor. Mais de dez surfistas freaks fazendo uma corrida onde chegariam ao final somente os doidos reais. Surfistas freaks viciados no cheiro de lava quente deslizando feito animais irracionais, gargalhando em tom de deboche daqueles que olhavam horrorizados para o surf mais radical de todos os tempos. Gong Li liderava os freaks deslizando com a calma dos gurus em sua face. Sei que ela pensava em surfar no espaço, rumo ao sol. Seu sonho sempre foi surfar nas crateras solares. Chegamos, todos os mais de dez surfistas, ao fim do rio de fogo. Grace Yp pega as cervejas. Bebemos um monte. Abraço Kelly Chen, minha garota, e olho para o céu vislumbrando o longo sorriso da fumaça. Era um sorriso de felicidade e este sorriso era para nós. Erguemos nossas cervejas e brindamos a sua saúde.

Petter Baiestorf
A fumaça e seu longo sorriso de felicidade

A fumaça negra contrastava com o céu azul, se diluindo vagarosamente enquanto seguia seu destino para lugar algum. Abutres rasgavam a fumaça com fúria. Fúria dos famintos a procura de uma carniça para transformar no banquete da semana. Procuravam deslizando no ar, em círculos, sem nada avistar. E na falta de uma suculenta carniça continuavam apenas voando entre meio a fumaça. Fumaça que era expelida de um vulcão em erupção. Aquele vulcão feroz que despejava toneladas de lava fervente formando rios de fogo onde eu e meus amigos vamos surfar. Ondas de até sete metros de altura, lava pronta para carbonizar os surfistas que não sonham. Na caixa de som rolava G.G. Allin fazendo um cover dos Beach Boys. Eu e meus amigos seguíamos surfando pelo fogo, doidos com o cheiro do calor. Mais de dez surfistas freaks fazendo uma corrida onde chegariam ao final somente os doidos reais. Surfistas freaks viciados no cheiro de lava quente deslizando feito animais irracionais, gargalhando em tom de deboche daqueles que olhavam horrorizados para o surf mais radical de todos os tempos. Gong Li liderava os freaks deslizando com a calma dos gurus em sua face. Sei que ela pensava em surfar no espaço, rumo ao sol. Seu sonho sempre foi surfar nas crateras solares. Chegamos, todos os mais de dez surfistas, ao fim do rio de fogo. Grace Yp pega as cervejas. Bebemos um monte. Abraço Kelly Chen, minha garota, e olho para o céu vislumbrando o longo sorriso da fumaça. Era um sorriso de felicidade e este sorriso era para nós. Erguemos nossas cervejas e brindamos a sua saúde.