Ode de Maldizer - Poebos Abel
Poebos Abel
Poebos Abel é um leitor voraz de Literatura, Filosofia e Ciência. Cultiva o gosto pela poesia desde tenra idade, sendo um leitor ávido e entusiasta dos grandes poetas da língua portuguesa. Quando não está às voltas com a ciência e a filosofia, lê e faz poemas. Não cultiva gosto e estima pela métrica, pois pensa que ela limita e suprime o pensar e o dizer do poeta, mas nutre intensa devoção e carinho pela graciosa rima, por isso sua poesia é rimada e desmedida.
E-mail:phisikys@gmail.com
Facebook:https://www.facebook.com/phisikys







Ode de Maldizer

 

Por que te escondes dentro desta carapaça?!

Não vês que está para declinar a máscara

Que encobre e falseia tua asquerosa cara

E que logo cairá a farsa de tua face baça?!

 

Oh terrível e abominável carcará!

Que voa sobre as sinuosas ruínas

Da gangrena hedionda das carnificinas!

Onde escondes a sordidez do teu alvará?!

 

Homem! Tu és o maldito verme

Que profana a opulência do estrume

Com a nicotina e o alcatrão do cigarro:

Vomitando a imundície do escarro!

 

A todo custo queres subjugar a Natureza,

Violar seus arcanos e sua decana grandeza!

Mas não percebes que estás dela à mercê,

Que comparado a Ela és apenas um você!

 

Oh pobre homem!

Tu és um ninguém

Sempre à procura de alguém,

Mesmo com teu imenso desdém!

Páginas: 1 2

Poebos Abel
Ode de Maldizer

 

Por que te escondes dentro desta carapaça?!

Não vês que está para declinar a máscara

Que encobre e falseia tua asquerosa cara

E que logo cairá a farsa de tua face baça?!

 

Oh terrível e abominável carcará!

Que voa sobre as sinuosas ruínas

Da gangrena hedionda das carnificinas!

Onde escondes a sordidez do teu alvará?!

 

Homem! Tu és o maldito verme

Que profana a opulência do estrume

Com a nicotina e o alcatrão do cigarro:

Vomitando a imundície do escarro!

 

A todo custo queres subjugar a Natureza,

Violar seus arcanos e sua decana grandeza!

Mas não percebes que estás dela à mercê,

Que comparado a Ela és apenas um você!

 

Oh pobre homem!

Tu és um ninguém

Sempre à procura de alguém,

Mesmo com teu imenso desdém!

Páginas: 1 2