Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Tatianie Kiosia
Tatianie Kiosia reside em Campinas no interior de São Paulo, tem 35 anos e é artesã e escritora, autora de contos de horror, caracterizada por um mórbido e culto refinamento singular apenas aos indivíduos cuja ironia cáustica somada à criativa imaginação culminam em textos de profundo horror. Por anos foi mantenedora e coeditora do fanzine Vampyrum Spectrum, publicação dedicada á música extrema e ocultismo que circulou ativamente pelo necrounderground brasileiro e que deverá ressurgir numa obscura aurora. É idealizadora do blog Escritos do Inferno, insano depositário de muitos de seus contos de horror e de histórias causadoras de forte repulsa, não recomendado aos indivíduos mais frágeis. Escritos do Inferno é também o título de seu primeiro livro, obra publicada de forma independente pelo Clube de Autores durante o ano de 2017 que reúne vários de seus trabalhos, alguns escritos no início da adolescência.
Hoje vive literalmente de sua arte, e nas poucas horas vagas escreve contos inspirados em sonhos estranhos, lembranças bizarras e fatos insólitos do dia a dia.
E-mail: tatianie_kiosia@hotmail.com
Facebook: facebook.com/tatianie.kiosia
Site: escritosdoinferno.wordpress.com






A Porta Oculta

– Meu amor… me desculpe… me desculpe – disse ela chorando, – mas eu tenho que fazer isso…
Antes que Cláudio tivesse qualquer reação, ela colocou cuidadosamente Catarina naquele chão úmido de pedra, e pedindo desculpas pela última vez, atirou-se dentro do poço.
Lílian ofereceu-se no lugar de sua filha.
Um monstruoso rugido seguiu-se daquelas profundezas, e o ambiente parecia estar cheio de sinistras sombras dançantes. Cláudio gritava, e Catarina chorava, enquanto era pega nos braços do pai. Choro, gritos, rugidos, tudo ao mesmo tempo, ecoavam naquele satânico salão subterrâneo.
***
Considerou-se a hipótese de suicídio, decorrente de uma depressão pós-parto. Cláudio não questionou nada. Ele sabia que a morte de sua esposa poderia ser qualquer coisa, menos um mero suicídio. Talvez loucura, talvez plena sanidade e instinto materno de morrer no lugar de Catarina. As sombras que ele vira naquele ambiente macabro, os rugidos infernais advindos das profundezas do poço sinistro, tudo isso lhe dava cada vez mais a certeza de que aquele bucólico chalé guardava um lugar amaldiçoado. Mas o que quer que houvesse naqueles escuros e fétidos labirintos, teve sua sede de sangue e morte saciada.
Cláudio mudou-se de lá, criando a filha Catarina, sozinho, num moderno apartamento no centro da cidade. Dona Solange, a quem Cláudio tentou contatar tantas vezes após o ocorrido, nunca foi encontrada.

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Tatianie Kiosia
A Porta Oculta

– Meu amor… me desculpe… me desculpe – disse ela chorando, – mas eu tenho que fazer isso…
Antes que Cláudio tivesse qualquer reação, ela colocou cuidadosamente Catarina naquele chão úmido de pedra, e pedindo desculpas pela última vez, atirou-se dentro do poço.
Lílian ofereceu-se no lugar de sua filha.
Um monstruoso rugido seguiu-se daquelas profundezas, e o ambiente parecia estar cheio de sinistras sombras dançantes. Cláudio gritava, e Catarina chorava, enquanto era pega nos braços do pai. Choro, gritos, rugidos, tudo ao mesmo tempo, ecoavam naquele satânico salão subterrâneo.
***
Considerou-se a hipótese de suicídio, decorrente de uma depressão pós-parto. Cláudio não questionou nada. Ele sabia que a morte de sua esposa poderia ser qualquer coisa, menos um mero suicídio. Talvez loucura, talvez plena sanidade e instinto materno de morrer no lugar de Catarina. As sombras que ele vira naquele ambiente macabro, os rugidos infernais advindos das profundezas do poço sinistro, tudo isso lhe dava cada vez mais a certeza de que aquele bucólico chalé guardava um lugar amaldiçoado. Mas o que quer que houvesse naqueles escuros e fétidos labirintos, teve sua sede de sangue e morte saciada.
Cláudio mudou-se de lá, criando a filha Catarina, sozinho, num moderno apartamento no centro da cidade. Dona Solange, a quem Cláudio tentou contatar tantas vezes após o ocorrido, nunca foi encontrada.

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12