Altruísmo - Venosa Rodrigues
Venosa Rodrigues
Venosa Rodrigues - Nascido no interior de lugar nenhum. Poeta maldito, contista miserável, dramaturgo fracassado. Morro por tudo e vivo por nada. Gerado dos excrementos de Byron, Rimbaud, Baudelaire, Bukowski, Augusto dos Anjos, e Marquês de Sade. Meus escritos são reflexo de uma mente desvairada e merencória.





Altruísmo

Sobre tua cabeça não há nenhuma glória.
Teus feitos não inspiraram nenhuma história.
Há de sempre ser lembrado como escória.

Que riquezas exibe um moribundo,
Louco, que foi sempre irmão do mundo?
Nunca teve a virtude de ser amado.
Ao desprezo –pobrezinho- foi fadado.
Caminhou, decidido, sempre a própria sorte.
E, agora, findou-se beijando as mãos da morte.

Venosa Rodrigues
Altruísmo

Sobre tua cabeça não há nenhuma glória.
Teus feitos não inspiraram nenhuma história.
Há de sempre ser lembrado como escória.

Que riquezas exibe um moribundo,
Louco, que foi sempre irmão do mundo?
Nunca teve a virtude de ser amado.
Ao desprezo –pobrezinho- foi fadado.
Caminhou, decidido, sempre a própria sorte.
E, agora, findou-se beijando as mãos da morte.