Nostalgia justaposta à morte - Venosa Rodrigues
Venosa Rodrigues
Venosa Rodrigues - Nascido no interior de lugar nenhum. Poeta maldito, contista miserável, dramaturgo fracassado. Morro por tudo e vivo por nada. Gerado dos excrementos de Byron, Rimbaud, Baudelaire, Bukowski, Augusto dos Anjos, e Marquês de Sade. Meus escritos são reflexo de uma mente desvairada e merencória.





Nostalgia justaposta à morte

No caminho de teu derradeiro fim
Cobri-me de um sentimento nostálgico.
-A visão de teu tão contagiante sorriso em minha mente-.

Ao ver-te em meios aos candelabros,
Coberto de feridas que fazem tua carne apodrecer,
Com​ um semblante calmo e sereno
Como se estivesse a esperar esse fatídico momento,
Meu coração de criança quebrou-se
E amadureci sabendo que a vida continua.

Venosa Rodrigues
Nostalgia justaposta à morte

No caminho de teu derradeiro fim
Cobri-me de um sentimento nostálgico.
-A visão de teu tão contagiante sorriso em minha mente-.

Ao ver-te em meios aos candelabros,
Coberto de feridas que fazem tua carne apodrecer,
Com​ um semblante calmo e sereno
Como se estivesse a esperar esse fatídico momento,
Meu coração de criança quebrou-se
E amadureci sabendo que a vida continua.