Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Wan Moura
Sou uma alma fragmentada que geralmente caminha beirando o precipício. Já acordei nas Montanhas da Loucura e já passei pelo Desfiladeiro do Medo. Peguei carona com o dono do Buick 8 e já fui mordido por um cão, Cujo dono era O Iluminado. Eu durmo em criptas e tento colaborar com O Corvo que, dia após dia, consome meu Coração Satânico. Enfim, esse sou eu! Canceriano, negro de cor e coração nefasto, viciado num bom e velho Rock, um tatuado nascido sob o segundo dia de um Julho de 1989, eletricista como ganha pão e que escreve com o nobre intuito de espalhar um amargo veneno cáustico no ar, apenas para admirar o caos de camarote. Um ser bizarro, praticante da Lei de Talião e apaixonado pelo que é macabro e obscuro. Wan Moura é uma centelha mefistofélica vivendo clandestinamente na capital maranhense. Sou tudo isso e nenhuma molécula a mais.
E-mail: wandersonwmoura@gmail.com
Wattpad: WanMoura






A roda do destino

Luscius perdeu o controle do intestino e defecou em si mesmo, tateou por cima de sua imundície e encontrou seu amigo fiel, leal até o fim; sempre amolado e fatal. Mesmo depois de anos isolado no esconderijo sob a pia Luscius o invejou.

O velho de olhos azuis que já não brilham, está desolado e sem esperanças. Mas, se orgulha em saber que o amigo fiel irá salvar-lhe da humilhação de perecer como um leitão rumo ao abate sob o julgo do Tempo. A idade avançada seguida pelas doenças nefastas ceifou a carreira de cirurgião de Luscius sem aviso prévio. Entretanto seu orgulho permanece. O bisturi, companheiro das aventuras noturnas, dançou em cima da jugular de Luscius que apenas sorriu. O sorriso louco de um assassino voraz.

 

Páginas: 1 2 3 4 5

Wan Moura
A roda do destino

Luscius perdeu o controle do intestino e defecou em si mesmo, tateou por cima de sua imundície e encontrou seu amigo fiel, leal até o fim; sempre amolado e fatal. Mesmo depois de anos isolado no esconderijo sob a pia Luscius o invejou.

O velho de olhos azuis que já não brilham, está desolado e sem esperanças. Mas, se orgulha em saber que o amigo fiel irá salvar-lhe da humilhação de perecer como um leitão rumo ao abate sob o julgo do Tempo. A idade avançada seguida pelas doenças nefastas ceifou a carreira de cirurgião de Luscius sem aviso prévio. Entretanto seu orgulho permanece. O bisturi, companheiro das aventuras noturnas, dançou em cima da jugular de Luscius que apenas sorriu. O sorriso louco de um assassino voraz.

 

Páginas: 1 2 3 4 5