Abandono - Wender Lucas Fernandes
Wender Lucas Fernandes
Humano podre, escritor maldito e alcoólatra degenerado. Moro na infernal cidade de Palmeira dos Índios- AL, escrevo desde 2014, meus companheiros de porre são Augusto dos Anjos (que me ensinou a necessidade inevitável que o homem tem de ser fera, diante dessa sociedade doentia e acabada) Charles Bukowski (Que me ensinou que o pior problema que um homem pode ter, é estar sóbrio) e Thoreau (Que me ensinou a desconfiar de qualquer atividade que requeira roupa nova). Casado com a insanidade, amante da tosqueira e inimigo da sociedade,tento passar alguns pensamentos aleatórios para um pedaço de papel.





Abandono

Quando precisares de mim
Estarei no nada, distante, na agonia
Talvez na simpatia de uma vida vadia
Marcada pela decepção.

Quando precisares de mim
Estarei chapado, entorpecido, distante
A realidade me deixa perdido
Causa a sensação de viver fora dela a todo instante

Quando precisares de mim
Estarei em algum esgoto, jogado, na sarjeta
Pode ser até que esteja confortável
Em meio às ruas cheias de incertezas

Quando precisares de mim
Estarei presente, de pé, pensando em tudo
Talvez até esteja triste
Enquanto observo seu túmulo.

Quando precisares de mim
Estarei no nada, distante, na agonia
Talvez na simpatia de uma vida vadia
Marcada pela decepção.

Quando precisares de mim
Estarei chapado, entorpecido, distante
A realidade me deixa perdido
Causa a sensação de viver fora dela a todo instante

Quando precisares de mim
Estarei em algum esgoto, jogado, na sarjeta
Pode ser até que esteja confortável
Em meio às ruas cheias de incertezas

Quando precisares de mim
Estarei presente, de pé, pensando em tudo
Talvez até esteja triste
Enquanto observo seu túmulo.