Aleatoriedades - Wender Lucas Fernandes
Wender Lucas Fernandes
Humano podre, escritor maldito e alcoólatra degenerado. Moro na infernal cidade de Palmeira dos Índios- AL, escrevo desde 2014, meus companheiros de porre são Augusto dos Anjos (que me ensinou a necessidade inevitável que o homem tem de ser fera, diante dessa sociedade doentia e acabada) Charles Bukowski (Que me ensinou que o pior problema que um homem pode ter, é estar sóbrio) e Thoreau (Que me ensinou a desconfiar de qualquer atividade que requeira roupa nova). Casado com a insanidade, amante da tosqueira e inimigo da sociedade,tento passar alguns pensamentos aleatórios para um pedaço de papel.





Aleatoriedades

Cabeças rolando em meio aos corpos caídos.
Tripas enroladas em seus corpos
O amor de sentir dor aos pedaços
Diante dos candelabros no ambiente presente

Zumbis surgindo de repente
Um inferno tremendo na terra
Padres fudendo crianças e recebendo a bênção de deus
Esse deus careta, órfão e totalmente incompetente

Maconha enrolada na seda
Buceta chupada na carne
A dor pode ser arte
Mas o prazer de sangrar multiplica o sentido da alma

Pessoas são vazias
Buscam em palavras aleatórias sentido para a vida
Vivem em busca de salvação
Banalizam o ato sexo
E fazem da carnificina obra de arte psicológica.

Wender Lucas Fernandes
Aleatoriedades

Cabeças rolando em meio aos corpos caídos.
Tripas enroladas em seus corpos
O amor de sentir dor aos pedaços
Diante dos candelabros no ambiente presente

Zumbis surgindo de repente
Um inferno tremendo na terra
Padres fudendo crianças e recebendo a bênção de deus
Esse deus careta, órfão e totalmente incompetente

Maconha enrolada na seda
Buceta chupada na carne
A dor pode ser arte
Mas o prazer de sangrar multiplica o sentido da alma

Pessoas são vazias
Buscam em palavras aleatórias sentido para a vida
Vivem em busca de salvação
Banalizam o ato sexo
E fazem da carnificina obra de arte psicológica.