PADRÕES - Wender Lucas Fernandes
Wender Lucas Fernandes
Humano podre, escritor maldito e alcoólatra degenerado. Moro na infernal cidade de Palmeira dos Índios- AL, escrevo desde 2014, meus companheiros de porre são Augusto dos Anjos (que me ensinou a necessidade inevitável que o homem tem de ser fera, diante dessa sociedade doentia e acabada) Charles Bukowski (Que me ensinou que o pior problema que um homem pode ter, é estar sóbrio) e Thoreau (Que me ensinou a desconfiar de qualquer atividade que requeira roupa nova). Casado com a insanidade, amante da tosqueira e inimigo da sociedade,tento passar alguns pensamentos aleatórios para um pedaço de papel.





PADRÕES

Padrão de vinda, padrão de ida, padrão de morte

 Que nos joga nos braços da sorte 

Que com a dor exposta na arte

Nos limita a vários cortes

Com a sociedade ditando regras

E familiares cagando as pregas

De uma vida de merda padronizada

Com fetos e afetos que nunca levaram a nada

Padrões de beleza, padrões de riqueza, padrões de família

Que só fodem ainda mais a sua vida

Padrão de beleza que te cega

Padrão de riqueza que te esmaga

Padrão de família que te mata

Que insistem em viver nessa desgraça

Padrão de drogas que vicia

Padrão de dor e agonia

Padrão de céu e inferno

Que sempre te levará ao sono eterno.

Padrão de vinda, padrão de ida, padrão de morte

 Que nos joga nos braços da sorte 

Que com a dor exposta na arte

Nos limita a vários cortes

Com a sociedade ditando regras

E familiares cagando as pregas

De uma vida de merda padronizada

Com fetos e afetos que nunca levaram a nada

Padrões de beleza, padrões de riqueza, padrões de família

Que só fodem ainda mais a sua vida

Padrão de beleza que te cega

Padrão de riqueza que te esmaga

Padrão de família que te mata

Que insistem em viver nessa desgraça

Padrão de drogas que vicia

Padrão de dor e agonia

Padrão de céu e inferno

Que sempre te levará ao sono eterno.