Maldohorror - Coletivo de escritores fantásticos e malditos.
Alan Cassol
Uma vez levei um tapão na boca porque comi terra. Hoje, fico dando coice nas perninhas que fofocam pensamentos binários. Não afugento nada quando escrevo, mas divido farelinhos de vergonha na cara com quem quiser de um que não. Concordo com o Stieg Larsson





Bordoada de Passarinho

Venha e se espalha na minha frente.

Seu tempo é tão pouco.

Mas você sangra bonito.

Eu te desejo só um dia.

E espero pela próxima vez.

 

Quando voltas, eu repenso.

Porque não veio por mim.

Mas quando eu enfrento a busca.

Destruo o próximo dia.

Desejo-te tanto que caio em tremedeira.

Os pássaros me avisam quando devo te mandar embora.

E você vai sem alarde, pois é uma dama.

Na minha mão fica o teu sangue.

E eu o lambo.

Eu quero ser o que você é para mim. 

Alan Cassol
Bordoada de Passarinho

Venha e se espalha na minha frente.

Seu tempo é tão pouco.

Mas você sangra bonito.

Eu te desejo só um dia.

E espero pela próxima vez.

 

Quando voltas, eu repenso.

Porque não veio por mim.

Mas quando eu enfrento a busca.

Destruo o próximo dia.

Desejo-te tanto que caio em tremedeira.

Os pássaros me avisam quando devo te mandar embora.

E você vai sem alarde, pois é uma dama.

Na minha mão fica o teu sangue.

E eu o lambo.

Eu quero ser o que você é para mim.